Jexi (2019)

 

Comédia sobre as dependências do telemóvel.

 

Phil trabalha numa empresa de serviços online. A sua dependência do smartphone é enorme (Phil nem sabe o caminho casa-trabalho-casa), não tem amigos nem vida social.

A compra de um novo smartphone leva-o a conhecer a assistente do aparelho, Jexi.

Jexi vai controlar totalmente a vida de Phil, mas também despertá-lo para a necessidade do mundo real.

Para muitos, na vida moderna é imprescindível um telemóvel smartphone. Estes pequenos aparelhos dominam e controlam a vida de muita gente (dificilmente nos cruzamos com alguém na rua que não vá mais focado no ecran de meia-dúzia de polegadas do que nos horizontes do mundo ou mesmo no trânsito ao atravessar a rua), sendo capazes de muita coisa num objecto de bolso.

A inteligência artificial está aí e já se usa em sistemas operativos, com o objectivo de melhorar (seja lá o que isso for) a vida dos utilizadores.

Lembram-se de “Her” (esse maravilhoso filme onde Joaquin Phoenix e um sistema operativo feminino têm uma love story)?

Pois bem, “Lexi” é uma versão comédia de tal conceito.

Aborda-se a solidão movida pelo conforto digital, a incapacidade do indivíduo em fazer algo sem uma ajuda digital (ou mesmo a fazer nada e a deixar tudo para o telemóvel), a libertação da prisão digital e a busca de vida real, bem como o stress empresarial em procurar (constantemente) o que é viral (leia-se, banal, em detrimento do profundo e relevante).

Temas propícios a um bom drama sobre um lado da vida moderna.

Mas o argumento é dos autores do desconcertante “The Hangover”.

Como tal, segue-se a via da rábula, com um humor louco (as reacções de Jexi, o quotidiano oco de Phil e a sua dependência digital), uma quantidade de peripécias destravadas (Jexi a ter ciúmes da namorada de Phil) e um conjunto vasto de situações irreverentes (Jexi a enfrentar o chefe de Phil).

Resulta e diverte, não deixando de mostrar algum do ridículo em tanta dependência de algo não-real.

Adam Devine mostra-se um capaz comediante.

Rose Byrne dá voz sexy e dominadora a Jexi.

Uma boa forma de nos rirmos de um faceta patética da sociedade moderna e do (perigoso) controlo digital sobre o ser humano.

 

Recomendável. Para consumir com muita pipoca.

 

“Jexi” está nas nossas salas.

 

Nota – Há cenas extras durante o genérico final.

Realizadores: Jon Lucas, Scott Moore

Argumentistas: Jon Lucas, Scott Moore

Elenco: Adam Devine, Alexandra Shipp, Rose Byrne, Ron Funches, Charlyne Yi, Michael Peña, Wanda Sykes

 

Site – https://www.lionsgate.com/movies/jexi

 

Orçamento – 5 milhões de Dólares

Bilheteira – 6.5 milhões de Dólares (USA); 8.1 (mundial)

 

“Lexi” ia ser o título inicial. Mas tal levantaria alguns problemas legais, pelo que se mudou para “Jexi”.

 

“The Phone” – título durante as filmagens.

Rose Byrne gravou as suas lines na pós-produção. Mas durante as filmagens, Adam Devine ouvia as lines de Jexi através de um assistente que lhe falava através de um auricular. Dessa forma, o actor tinha reacções mais directas, imediatas e espontâneas.

 

Alguém deu conta que Phil vive no mesmo prédio que Eddie Brock vive em “Venom” (2018).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s