Os Filhos dos Três Mosqueteiros (1952)

At Sword`s Point - Poster 5

 

Título original – At Sword’s Point

 

O clássico literário de Alexandre Dumas é uma inspiração eterna para o Cinema.

Até para sequelas e rip-offs.

Eis um.

Maureen O’Hara e Cornel Wilde protagonizam.

Continuar a ler

Sinbad, o Marinheiro (1947)

Sinbad, The Sailor - Poster 1

 

Título original – Sinbad, The Sailor

 

Sinbad é um dos personagens mais populares d`”As Mil e Uma Noites”.

Eis um filme sobre as suas aventuras.

Douglas Fairbanks Jr. e Maureen O’Hara protagonizam.

Continuar a ler

O Terror dos Sete Mares (1945)

The Spanish Main - Poster 1

 

Título original – The Spanish Main

 

Paul Henreid e Maureen O’Hara em intrépidas aventuras pelos mares das Caraíbas.

Continuar a ler

A Espada de Damasco (1953)

The Golden Blade - Poster 1

 

Título original – The Golden Blade

 

O Médio-Oriente, as histórias d` “As Mil e Uma Noites”, a lenda da Excalibur e do Rei Artur eram sempre boa inspiração para o cinema de aventuras de Hollywood.

Eis um (bom) caso.

Continuar a ler

As Minas de Salomão II (1986)

Allan Quatermain and the Lost City of Gold - Poster 1

 

Título original – Allan Quatermain and the Lost City of Gold

 

A nova versão (1985) de “King Solomon`s Mines” (já aqui visto) estava em filmagens e havia confiança de bons resultados nas bilheteiras.

Então porque não aproveitar o orçamento e fazer dois filmes em simultâneo?

Aqui vem a nova aventura de Allan Quatermain.

Continuar a ler

As Minas de Salomão (1985)

King Solomon`s Mines - 1985 - Poster 5

 

Título original – King Solomon’s Mines

 

O clássico literário de H. Rider Haggart é sempre propício a mais uma adaptação cinematográfica.

Eis uma que surge em tempos em que o género da action/adventure vinha marcado por Indiana Jones.

Continuar a ler

As Minas de Salomão (1950)

King Solomon's Mines - 1950 - Poster 2

 

Título original – King Solomon’s Mines

 

O romance de H. Rider Haggard já tinha aclamação como um dos maiores do género action/adventure.

Já tinha sido alvo de uma (correcta) versão cinematográfica.

Nos 50s já havia (deslumbrante) cor e o género estava em boa forma.

Porque não uma nova versão?

Continuar a ler