Kate (2021)

 

 

A habitualmente cativante Mary Elizabeth Winstead torna-se uma hitgirl.

Continuar a ler

Projeto Gemini (2019)

 

Título original – Gemini Man

 

Jerry Bruckheimer, que já foi o mais poderoso produtor de Hollywood (“Beverly Hills Cop”, “Top Gun”, “The Rock”, “Gone in 60 Seconds”, “Pirates of the Caribbean”), regressa ao blockbuster de grande action & spectacle.

Ang Lee é um talentoso realizador, que procura sempre qualidade (“Sense and Sensibility”), arte (“Crouching Tiger, Hidden Dragon”) e entretenimento (“Hulk”).

Will Smith, outrora uma das grandes movie stars dos 90s, procura reencontrar a glória perdida.

Eis um filme que os junta.

Continuar a ler

10 Cloverfield Lane (2016)

10 Cloverfield Lane - Poster 2
8 anos depois do surpreendente “Cloverfield”, eis a “sequela”.

Continuar a ler

A Coisa (2011)

The Thing - 2011 - Poster 2

 

Título Original – The Thing

 

Eis o regresso de uma das mais assustadoras criaturas do cinema de terror.

A Coisa. A tal Coisa que consegue ser qualquer um de nós e qualquer outra criatura viva.

Tudo começou em 1951, com “The Thing from Another World” (já aqui visto), co-realizado (ainda há muita controvérsia à volta disto) por Howard Hawks. É uma (grande) pérola de sci-fi terror (foi a década de ouro para os géneros), pela simplicidade técnica (low budget em espaço fechado) e eficácia de resultados (as sequências em que a criatura aparece ainda hoje provocam susto).

Em 1982, John Carpenter fez um remake à altura (também já aqui visto), intitulado apenas de “The Thing”, com uma maior fidelização ao livro que inspira os dois filmes (“Who Goes There?” de John W. Campbell – já agora, senhores editores, por favor lancem o livro em Portugal), apoiado nuns inovadores efeitos especiais de caracterização que fizeram História (e repulsa, ou mesmo nojo, em muita gente). Trata-se de um poderoso filme de terror (é a obra-prima máxima de Carpenter), sendo também uma reflexão sobre o medo, a paranóia e a desconfiança. Felizmente, a passagem do tempo deu-lhe o culto e respeito que o filme merece (à época de estreia foi um flop nas bilheteiras e arrasado por muita gente).

Depois do clássico de Howard Hawks e do remake cult masterpiece de John Carpenter, eis a prequela, mas do filme de Carpenter.

Continuar a ler