Lock Up (1989) – 30 Anos

Lock Up - Poster 4

 

Presidiário em fim de pena procura sobreviver às armadilhas de um odioso director prisional.

 

Depois das peripécias (à frente e atrás das câmaras) de “Rambo III”, Sylvester Stallone regressa a um cinema mais low cost, mais real, mais intimista, mais humano, mas não menos heróico.

Jornada heróica de um homem normal perante um calvário de ódio, hostilidade e opressão, num filme-prisão muito honesto no seu tom, pleno de brutalidade e onde a vontade do espírito humano prevalece face a “efeitos especiais”, estabelecendo um duelo de vontades entre dois homens perseguidos por um passado não resolvido.

 

Sly em grande forma, numa das suas melhores performances (aquela expressão facial perante a dor e a fúria não precisa de lines), confirmando o seu dom para interpretar um underdog firme no seu rumo, mas que para se afirmar tem de atravessar um inferno de adversidades.

Donald Sutherland compõe um vilão odioso a preceito.

 

John Flynn confirma o seu talento, herdeiro do melhor punch no action thriller adulto e brutal, na linha de Don Siegel e Robert Aldrich.

 

Uma pérola do Cinema habitual de Stallone.

A redescobrir.

Continuar a ler

Maverick (1994) – 25 Anos

Maverick - Film - Poster 1

 

Bret Maverick, hábil jogador e pistoleiro, participa num importante torneio de poker. Mas serão muitas as adversidades a enfrentar.

 

A popular série com James Garner (que durou de 1957 a 1962) recebe a correcta adaptação cinematográfica.

Acção, humor, romance, intriga, peripécias e muito poker.

Richard Donner (realizador muito activo na Televisão dessa época) diverte-se.

Mel Gibson diverte-se como Maverick, usando todo o seu carisma como ladies man, action hero e comediante.

Jodie Foster diverte-se, mostrando uma (magnífica) faceta humorística desconhecida.

James Garner (o Maverick original) diverte-se como árbitro do “jogo”, reservando uma (hilariante) surpresa.

 

Alegre banda sonora.

 

Um divertimento cinéfilo e teléfilo, que homenageia, brinca e respeita a série televisiva original.

Continuar a ler

1941 (1979) – 40 Anos

1941 - Poster 2

 

1941. Já se deu o ataque japonês a Pearl Harbor, mas a marinha japonesa prepara-se para uma invasão aos USA pela costa californiana, através de L.A e Hollywood.

 

Com a ajuda de Robert Zemeckis & Bob Gale (futuros autores de “Back to the Future”), Steven Spielberg atira-se ao burlesco, screwball e non-sense clássicos, sabendo fazer autoparódia (o início recorda o de “Jaws”) e brincar com a História.

O resultado é tremendamente divertido e de um incrível poder visual pensado para grande espectáculo.

 

Fantástico elenco, em plena sintonia com o tom da rábula pretendida (e conseguida).

 

Um clássico e uma das obras máximas do autor de “E.T.”, ainda que não seja das mais consensuais.

Continuar a ler

Notting Hill (1999) – 20 Anos

Notting Hill - Poster 1

 

Big movie star relaciona-se com o gerente de uma modesta livraria.

Amor, sucesso, privacidade e popularidade conciliam-se?

 

Richard Curtis regressa aos imbróglios do amor, agora inserido no mundo do Cinema.

O olhar sobre o meio é irónico.

A visão sobre o amor é simples.

O drama traz conseguida emoção.

A comédia traz inteligente humor.

É a escrita de Curtis ao seu melhor nível.

 

Hugh Grant & Julia Roberts em grande forma de comicidade e em perfeita química.

 

Um pequeno clássico.

Continuar a ler

Four Weddings and a Funeral (1994) – 25 Anos

Four Weddings and a Funeral - Poster 5

 

Um grupo de amigos solteirões assistem aos casamentos de alguns amigos e questionam as relações e o amor.

 

Richard Curtis explica 5 (boas) razões para se ficar solteiro.

Através da excellence do british humor abordam-se o casamento, o amor, o celibato, a morte e a vida.

Elenco em estado de graça, com destaque para um esplêndido Hugh Grant, verdadeiro gentleman da comédia.

 

Um clássico.

Continuar a ler

Some Like It Hot (1959) – 60 Anos

Some Like It Hot - Poster 8

 

Dois músicos disfarçam-se de mulheres para fugirem de um gangster.

Tudo se complica com súbitas paixões pelas “meninas”.

 

Billy Wilder brinca com o gangster film, o musical, o travesti e o desejo, mostrando que nada e ninguém é perfeito quando tudo fica hot.

Tony Curtis e Jack Lemmon são um calor de comicidade e química.

Marilyn Monroe é um calor de desejo, sendo um vulcão como comediante e cantora.

 

Uma das maiores comédias de sempre.

Continuar a ler

Ninotchka (1939) – 80 Anos

Ninotchka - Poster 10

 

Agente soviética vem a Paris tratar de assuntos diplomáticos a apaixona-se pela vida da Europa Ocidental.

 

Garbo laughs – assim se promovia na época.

 

Ernst Lubitsch, com a ajuda de Billy Wilder (no argumento), faz uma paródia (bem inteligente, divertida e sofisticada) aos ideais comunistas, ao conflito entre Europa Ocidental e de Leste, fazendo um “panfleto” à liberdade, a uma Europa livre e à joie de vivre.

E põe Greta Garbo a rir de felicidade (não era qualquer um que o conseguia).

 

Clássico e obra-prima.

Entre o máximo do género e do autor de “Trouble in Paradise”.

Continuar a ler