48 Horas – Parte II (1990)

 

 

Título original – Another 48 Hrs.

 

“48 Hrs.” (1982, já aqui visto) tinha sido um enorme sucesso e tinha feito escola.

Parecia ser boa ideia retomar a equipa.

 

Jack Cates e Reggie Hammond reencontram-se.

Jack persegue um criminoso misterioso e anda com sarilhos nos Assuntos Internos. Reggie está prestes a sair da prisão e quer usufruir da liberdade.

Dá-se uma nova parceria ao longo de 48 horas, com muitas peripécias.

Mas ainda há que resolver contentas antigas entre ambos.

A sequela segue um modelo narrativa muito parecido com o do original, com a intriga até a remontar para o caso policial desse filme.

A ideia é gira, mas acaba por soar (frequentemente) a déjà vu (há repetição de demasiadas cenas do original – a cena no bar não é tão divertida como a do original).

Não há a mesma energia nas lines, a ligação com eventos e personagens de “48 Hrs.” acaba por ser algo forçada e a surpresa final (a identidade dos vilões) não é inteiramente funcional.

Mas vê-se que há uma fórmula.

Ela funciona (ainda que “aquecida no micro-ondas”).

James Horner praticamente que recicla o seu (excelente) score composto para o original.

Nick Nolte e Eddie Murphy continuam a combinar bem.

Mas foi pena o argumento os colocar novamente como “inimigos” em vez de fazer evoluir a amizade que tinha sido criada no original (ora aqui está um erro onde a saga “Lethal Weapon” não caiu – houve sempre uma evolução na relação entre Riggs & Murtaugh).

Walter Hill filma com a sua destreza habitual para o género (os tiroteios inicial e final), mas parecia mostrar alguma perda de paixão, pois o ritmo não é tão vivo. Mas elogia-se a cinefilia da cena inicial (vê-se homenagem a Sergio Leone e a “Once Upon a Time in the West).

Não tão fresco e groundbreaking como “48 Hrs.”, mas ainda capaz de bom entretenimento, graças ao savoir-faire do realizador e protagonistas.

 

“Another 48 Hrs.” tem edição portuguesa e anda a bom preço.

Realizador: Walter Hill

Argumentistas: John Fasano, Jeb Stuart, Larry Gross, Eddie Murphy (como Fred Braughton), a partir de personagens criados por Roger Spottiswoode, Walter Hill, Larry Gross, Steven E. de Souza

Elenco: Eddie Murphy, Nick Nolte, Brion James, Kevin Tighe, Ed O’Ross, David Anthony Marshall, Andrew Divoff, Bernie Casey, Brent Jennings, Ted Markland, Tisha Campbell, Felice Orlandi

 

Trailer

 

Clips

 

Orçamento – 50 milhões de Dólares

Bilheteira – 81 milhões de Dólares (USA); 153 (mundial)

 

Eddie Murphy estava entusiasmado com a ideia da sequela e desenvolveu a história.

Walter Hill foi sondado por Murphy, mas o cineasta considerou recusar inicialmente, mas mudou de ideias pois não tinha projectos em agenda.

 

Reencontro entre Walter Hill e Nick Nolte – “48 Hrs.” (1982), “Extreme Prejudice” (1986), “Another 48 Hrs.”.

Reencontro entre Walter Hill e Eddie Murphy – “48 Hrs.” (1982), “Another 48 Hrs.”. Hill e Murphy chegaram a andar pensados para um remake de “The Magnificent Seven” (tal aconteceu, mas a envolver Antoine Fuqua e Denzel Washington).

Reencontro entre Walter Hill e Brion James – “Hard Times” (1975), “Southern Comfort” (1981), “48 Hrs.” (1982), “Red Heat” (1988), “Another 48 Hrs.”.

Sétima e última colaboração entre Walter Hill e produtor Lawrence Gordon – “Hard Times”, “The Driver”, “The Warriors”, “48 Hrs.”, “Brewster’s Millions”, “Streets of Fire”, “Another 48 Hrs.”.

Por causa do violento tiroteio no hotel, numa cena fulcral de “48 Hrs.”, falou-se que Walter Hill jamais voltaria a trabalhar para a Paramount. “Another 48 Hrs.” é realizado por Hill, com produção da… Paramount.

 

Em “48 Hrs.”, Nick Nolte (vindo do sucesso televisivo “Rich Man, Poor Man”) via o seu nome em primeiro lugar e Eddie Murphy (na sua estreia cinematográfica) vinha em segundo.

Em “Another 48 Hrs.”, as coisas mudaram, fruto da evolução da carreira de ambos. Murphy está em primeiro lugar, Nolte em segundo.

Em “48 Hrs.”, Nolte recebeu um salário de 1 milhão de dólares e Murphy contentou-se com 450.000 Dólares.

Em “Another 48 Hrs.”, Murphy recebeu 7 milhões de Dólares, mais uma percentagem das bilheteiras, com Nolte a receber 3.

 

O título inicial era “72 Hrs.”.

Uma versão prévia do argumento mostrava Jack numa relação sentimental com uma colega da Polícia, disposta a tudo para limpar o nome de Jack; Reggie andaria sempre com uma arma de fogo.

Toda a cena inicial é uma homenagem de Walter Hill a Sergio Leone, ao Western-Spaghetti e ao “Once Upon a Time in the West” (1968). Hill é fã do filme, do género e do cineasta. Hill voltaria a tal registo cinéfilo – “Last Man Standing” (1996).

Nick Nolte aparece mais gordo que no filme original, por causa de ter engordado para o personagem de “Q&A” (1990).

Tal como em “48 Hrs.”, Reggie Hammond canta da prisão canção “Roxanne”, dos The Police.

Numa cena, Reggie liga a um gajo chamado Willie Biggs – era o nome inicial de Reggie no argumento de “48 Hrs.”.

A caneta com que Jack brinca é a mesma vista em “Extreme Prejudice” (“por acaso”, realizado por Walter Hill, também com Nick Nolte).

Num momento, ouvem-se duas lines iguais às da cena do hotel em “48 Hrs.” – “Hold on a minute. I have to get something on.” e “Call for help now“.

O carro de Jack é um Cadillac DeVille 1964 convertible.

Body Count – 12.

 

O primeiro cut era de 145 minutos. Passou-se para 120 e dias antes da estreia ainda foram retirados mais 25. Tal obrigou a criar diversos buracos narrativos (a explicação de Jack sobre o porquê do seu limite de tempo em ilibar-se) e a deixar de fora certos personagens (Frank McRae regressa do filme original, mas todas as cenas ficaram na sala de montagem; Brion James também regressa de “48 Hrs.”, mas ficou com muitas das suas cenas retiradas).

Apesar de ter tido mais sucesso que “48 Hrs.”, a reacção da crítica não foi simpática (ao contrário do que aconteceu em no filme original). Muitos críticos acharam o que “Another 48 Hrs.” era um remake de “48 Hrs.”, repetindo cenas e o esquema narrativo.

A Paramount considerou o filme um flop, dados os custos.

Murphy culpou o estúdio por não ter feito a devida promoção. O estúdio culpou o actor por não ter dedicado tempo a promover o filme. A relação entre ambos (Murphy tinha muitos títulos feitos com a Paramount) deteriorou-se.

Foi o último, de sete filmes, que Eddie Murphy abria o box-office em #1. Só voltaria a conseguir tal em 1996 com “The Nutty Professor”.

 

Planeou-se um terceiro episódio (que teria o título “Yet Another 48 Hours”), mas nada evoluiu.

One comment on “48 Horas – Parte II (1990)

  1. […] Hrs.” teria sequela – “Another 48 Hrs.” (já aqui visto)) em 1990, que reuniu Walter Hill, Nick Nolte e Eddie Murphy. O filme foi um sucesso, mas […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s