Hotel New Hampshire (1984)

 

 

Título original – The Hotel New Hampshire

 

Um elenco de jovens talentos em ascensão, um realizador veterano e aclamado, um romance de prestígio.

É convidativo vir para este hotel.

 

A odisseia de uma família perante um conjunto de adversidades, tragédias e alegrias, sempre em contacto com estranhas pessoas, sempre no calor do seu tão querido, gerido e preservado hotel.

Crónica familiar, plena de sonhos e pesadelos, sorrisos e lágrimas, conflitos e uniões, contada de uma forma algures entre a comédia, a fantasia e o surrealismo.

Parece difícil aceitar o humor em momentos bem trágicos (a morte da mãe e filho, a violação), mas é visível um constante e assumido surrealismo, que muito ajuda.

É sobre família, é sobre esta às voltas com um hotel e este é toda uma analogia sobre a vida (as obras como dificuldades e melhorias, os hóspedes como as pessoas que vamos conhecendo, os quartos como os nossos cantos, as janelas como as portas de entrada/saída de sonhos, alegrias e decepções).

É, afinal, todo um tributo às união e harmonia familiar.

Tony Richardson está tão alegre e dinâmico como em “Tom Jones”, fazendo bom uso da ruptura da narrativa clássica (e tal opção foi um dos pilares do Free Cinema, movimento cultural e cinematográfico do qual Richardson foi forte fundador).

Há grandes nomes no elenco (muitos ainda nos primeiros tempos de carreira), todos em generosa prestação, bem divertidos com o que estão a fazer e entre si.

Uma sadia loucura sobre a loucura da vida e da família.

 

“The Hotel New Hampshire” não tem edição portuguesa. Existe noutros mercados, a bom preço.

Realizador: Tony Richardson

Argumentista: Tony Richardson, a partir do romance de John Irving

Elenco: Jodie Foster, Rob Lowe, Paul McCrane, Beau Bridges, Lisa Banes, Jennifer Dundas, Seth Green, Joely Richardson, Wallace Shawn, Matthew Modine, Wilford Brimley, Anita Morris, Nastassja Kinski, Amanda Plummer

 

Trailer

 

Clips

 

Filme

 

Orçamento – 7.5 milhões de Dólares

Bilheteira – 5.1 milhões de Dólares

 

“Prémio do Público – Melhor Filme Estrangeiro”, no Festival SESC 1986.

Marty Feldman ia participar no filme, mas faleceu ainda na fase de pré-produção.

Primeiro filme de Jennifer Dundas.

Primeiro filme de Seth Green.

Primeiro filme de Joely Richardson, filha de Tony Richardson e Vanessa Redgrave.

 

O grupo “The Queen” queria fazer a banda sonora e chegou a fazer esse pedido aos produtores. Estes preferiram o uso de música clássica.

A Pizza Hut foi um dos financiadores.

O primeiro local de filmagens foi o “Wentworth by the Sea Hotel”, situado em… New Hampshire. O hotel estava tinha encerrado um ano antes. Mas por questões financeiras, revelou-se mais barato filmar no Canadá. O irmão de John Irving era segurança no “Wentworth by the Sea Hotel” e ajudou a produção.

Filmado no Quebec, no Hotel Tadoussac, na vila com o mesmo nome (tinha pouco mais de 800 habitantes).

Rob Lowe teve uma lesão no nariz, na filmagem de uma cena de luta.

Lowe estava muito entusiasmado com o filme e ficou chateado com a Orion Pictures (a companhia produtora do filme) pela forma como o promoveu – um dos posters envolvia um urso (Lowe achou que tal promovia um desenho animado) e um outro com a família numa bicicleta (Lowe achou que tal promovia um filme com a família Von Trapp).

Apesar de ter sido um flop, o filme foi muito bem recebido pela crítica.

Último filme de Tony Richardson que ele ainda viu em vida. “Blue Sky” (1994, que valeu o Oscar a Jessica Lange) seria o último filme do cineasta, mas ele faleceria antes do filme estrear.

1984 foi um ano muito activo para Nastassja Kinski – “The Hotel New Hampshire”, “Paris, Texas”, “Maria`s Lovers” e “Unfaithfully Yours”.

Segundo Jodie Foster, este é o filme que marca um período baixo na sua carreira – o filme tinha sido um flop, ela tinha rejeitado “Splash” (1984), “The Terminator” (1984) e “The Breakfast Club” (1985). A recuperação da carreira surgiria em 1988 quando fez “The Accused” (Jodie aproveitou a recusa de Kim Basinger; a interpretação valeu-lhe um Oscar).

 

O livro de John Irving seria reeditado depois da estreia do filme e o escritor escreveu uma nota introdutória onde fazia grandes elogios à adaptação cinematográfica de Tony Richardson.

Sobre John Irving

https://john-irving.com

https://john-irving.com/the-books-of-john-irving/

https://www.britannica.com/biography/John-Irving

https://www.goodreads.com/author/show/3075.John_Irving

 

John Irving em Portugal

https://www.bertrand.pt/autor/john-irving/13141

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s