Não Olhem para Cima (2021)

 

 

Título original – Don’t Look Up

 

Elenco de luxo numa comédia sobre ciência, cataclismos, extermínio, destruição, política e… negacionismos.

 

Um grupo de cientistas descobre que um asteróide está em rota de colisão com a Terra e vai destruir toda a vida no planeta.

O problema está em conseguir convencer o poder político e a sociedade que o fim está mesmo próximo.

É mesmo a comédia sobre os nossos dias e o patetismo de certos sectores sociais e políticos na reacção ao actual estado das coisas.

Parece um “Armageddon” mais intelectual.

Claro que o cataclismo mencionado é uma (nada subtil) analogia com o aquecimento global e a pandemia covid-19.

É óbvio que o executivo americano mostrado é uma ridicularização dos de Donald Trump, Bolsonaro e outros “iluminados” que regem nações e nada sabem/vêem o que fazer para as salvar.

Mas calma, que não é só o poder político que é (bem) gozado (as reuniões na White House vão além do imbecil – a preocupação na diferença entre 100% e 99.78%, a preocupação com a popularidade e a imagem pública).

Há também todo um disparar fulminante aos media (alguns telejornais imbecis que não sabem dar informação de forma séria e credível, procurando mais o lado sensacionalista, com os seus pivots a mostraram-se mais entusiasmados na sua interacção e look) e à sociedade (o uso de redes sociais para abordar o que é oco e não saberem divulgar/comentar o que é relevante).

É toda uma paródia de forte poder crítico sobre muita coisa e muitas gentes do mundo actual, bem corrosiva, muito pertinente, bastante certeira e generosamente oportuna.

Alguém vai aprender algo? Poucos, pois há muitos vão ver isto como apenas um… movie.

Adam McKay já tinha mostrado que sabia entreter, rir-se, gozar e comentar males do mundo actual (“The Big Short”, em 2015, sobre a crise financeira).

Confirma o seu jeito.

É tal a sua paixão pela história, eventos e personagens, que até se esquece que cerca de 20 minutitos deviam ter ficado na sala de montagem (os quase 150 minutos de metragem parecem algo demasiado).

Há grande elenco em cena, e todos os seus elementos estão esplêndidos.

Merecem destaque Leonardo DiCaprio (bem gordinho), Jonah Hill (a simbolizar muito bem a estupidez de muita gente), Jennifer Lawrence (quando quer, e quando bem dirigida, é mesmo actriz), Meryl Streep (desconcertante) e Cate Blanchett (louca e… tremendamente sexy).

O verdadeiro comentário, documentário e sorriso sobre o quotidiano mundial.

 

“Don`t Look Up” andou brevemente pelas nossas salas. Está disponível via Netflix.

 

Nota – há duas (divertidas) cenas extra durante o genérico final.

Realizador: Adam McKay

Argumentistas: Adam McKay, David Sirota

Elenco: Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence, Meryl Streep, Cate Blanchett, Rob Morgan, Jonah Hill, Mark Rylance, Tyler Perry, Timothée Chalamet, Ron Perlman, Ariana Grande, Himesh Patel, Melanie Lynskey, Michael Chiklis, Paul Guilfoyle, Robert Joy

 

Site – https://www.netflix.com/pt/title/81252357

 

Nomeações para os Globos de Ouro 2022 – “Melhor Filme – Comédia ou Musical” (venceu “West Side Story”), “Melhor Actriz – Comédia ou Musical” (Jennifer Lawrence foi derrotada por     Rachel Zegler em “West Side Story”), “Melhor Actor – Comédia ou Musical” (Leonardo DiCaprio perdeu para Andrew Garfield em “tick, tick… BOOM!”), “Melhor Argumento” (venceu “Belfast”, de Kenneth Branagh).

“Filme do Ano”, nos AFI 2022.

“Melhor Argumento”, pelos críticos de Detroit 2021.

“Melhor Comédia”, pelos críticos de Las Vegas 2021.

“Top Films”, pela National Board of Review 2021.

“Top do Ano”, pelos críticos de Nova Iorque 2021, pelos críticos de Phoenix 2021.

“Filme Mais Decepcionante”, pelos críticos de Oklahoma 2022.

Adam McKay ia fazer o filme para a Paramount Pictures, mas a Netflix antecipou-se.

 

Reencontro entre Leonardo DiCaprio e Cate Blanchett, depois de “The Aviator” (2004).

Reencontro entre Leonardo DiCaprio e Jonah Hill, depois de “Django Unchained” (2012) e “The Wolf of Wall Street” (2013).

 

Leonardo DiCaprio teve conversações com uma astrónoma.

DiCaprio foi caracterizado e vestido de forma a parecer o menos sexy possível.

A última line do personagem de DiCaprio foi improvisada por ele.

Jennifer Lawrence filmou sem um dente. O dente em falta foi criado digitalmente.

Foi Jonah Hill quem teve a ideia do seu personagem estar sempre com uma mala.

Timothée Chalamet já tinha o cabelo comprido. O realizador gostou do look e pediu para o actor o manter.

Adam McKay considera que não é importante saber se a Presidente é Democrata ou Republicana, tendo em conta o que ambos as áreas fizeram pelo país nos últimos 40 anos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s