Turno da Noite (1982)

 

Título original – Night Shift

 

Ron Howard começou na Televisão como actor e seguiu uma carreira como realizador, tendo-se tornado um dos mais poderosos, fruto de muitos sucessos no box office (“Splash”, “Cocoon”, “Ransom”, “The Da Vinci Code”).

Eis um dos seus primeiros trabalhos.

 

Um funcionário de uma morgue vê-se colocado no turno da noite e tal revela-se um aborrecimento. Mas o seu novo colega resolver animar as coisas – tornar a morgue nocturna num bordel.

Se a morgue é um lugar de tristeza e mortos, porque não enchê-la de alegria e vivos?

Se a prostituição é um negócio, porque não ganhar algum dinheiro?

Se a “meninas de rua” têm o trabalho todo, porque não ficarem com a grande parte do dinheiro?

São estes os princípios desta comédia simples e descontraída.

Com uma ideia divertida e provocatória, o filme mostra um lado cómico da noite nova-iorquina (que até então era mostrada de forma mais séria, violenta e mortal) e brinca-se com o espírito empreendedor americano.

O humor é honesto e directo, tendo a inteligência de nunca cair na vulgaridade que a ideia é susceptível de gerar.

Como acontece frequentemente nestas coisas, o terceiro acto leva as coisas para o dramatismo e aí o filme perde vitalidade, ritmo e humor.

Henry Winkler da vinha popular série “Happy Days” e confirma o seu jeito para a comédia, agora num personagem tímido (por oposição ao seu descontraído, brincalhão e sedutor Fonzie, nessa série).

Michael Keaton estreia-se e é logo em grande, provando já ser um caso sério de comediante (“Johnny Dangerously”, “Mr. Mom” e “Beetlejuice” viriam a caminho e só confirmariam tal; para os títulos mais sérios, teríamos de esperar pelo final da década e pela seguinte – “Batman”, “Desperate Measures”, “Pacific Heights”, “Birdman”).

Shelley Long seria um dos bons talentos da popular “Cheers”. Ei-la também em começo de carreira, a mostrar igualmente bons dotes de comédia.

Ron Howard também vinha de “Happy Days”. Já se tinha estreado na realização com a ajuda de Roger Corman. Mostra eficácia, como o seu futuro mostraria.

Uma forma engraçada de mostrar como pode ser fácil, divertido e rentável a vida de chulo.

 

Vê-se muito bem.

 

“NIght Shift” não tem edição portuguesa. Existe noutros mercados, a bom preço.

Realizador: Ron Howard

Argumentistas: Lowell Ganz, Babaloo Mandel

Elenco: Henry Winkler, Michael Keaton, Shelley Long, Gina Hecht, Bobby Di Cicco, Tim Rossovich, Clint Howard, Joe Spinell

 

Trailer

 

Clips

 

Bilheteira – 21 milhões de Dólares

 

Henry Winkler esteve nomeado para “Melhor Actor – Comédia ou Musical”, nos Globos de Ouro 1983. Perdeu para Dustin Hoffman em “Tootsie”

Michael Keaton foi o “Melhor Actor Secundário”, pelos críticos de Kansas City 1982.

Henry Winkler ainda estava activo em “Happy Days” (1974). A série ia para a sua Season 9. Winkler trabalhava de Segunda a Quarta no filme, de Quinta a Sexta na série.

Kurt Russell e Mickey Rourke procuraram ficar com o personagem que seria entregue a Michael Keaton.

John Belushi tinha sido convidado (para o personagem de Keaton), mas recusou. Faleceria durante as datas de filmagem.

Reencontro entre Henry Winkler e Ron Howard, ambos protagonistas de “Happy Days”.

Primeiro filme de Michael Keaton.

Primeiro filme de Ron Howard produzido por uma major.

Cameos:

  • Kevin Costner e Shannen Doherty têm uma das suas primeiras aparições em Cinema – ele na festa, ela no elevador.
  • Ron Howard – o homem que toca saxofone do metro.
  • Jaid Barrymore (a mãe de Drew Barrymore) é uma das call girls.
  • Ron e a esposa Cheryl – o casal visto em frente ao apartamento do protagonista.

 

Clint Howard é irmão de Ron.

A fraternidade na festa tem o nome “Delta Tau Chi”. É o mesmo nome da fraternidade vista em “National Lampoon’s Animal House” (1978).

 

O filme conta com a primeira versão da canção “That’s What Friends Are For”. Escrita por Burt Bacharach e Carole Bayer Sager, tem a voz de Rod Stewart. A canção teria uma popularidade e sucesso três anos depois, pela voz de Dionne Warwick and Friends (Gladys Knight, Sir Elton John e Stevie Wonder).

Muitas das ideias de Bill Blazejowski já são uma realidade.

Um de três filmes sobre a conversão de um cidadão em chulo – “Night Shift” (1982), “Risky Business” (1983) e “Doctor Detroit” (1983).

 

É a primeira de muitas colaborações entre Brian Grazer (produtor) e Ron Howard (realizador).

Ron Howard, Michael Keaton, Lowell Ganz e Babaloo Mandel Reencontrar-se-iam em “Gung Ho”(1986).

“Night Shift” esteve na lista de 500 candidatos do American Film Institute para os “Top 100 Funniest American Movies”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s