Gunga Din (1939)

Gunga Din - Poster 1

 

Rudyard Kipling é um dos grandes escritores de sempre.

A sua obra é sempre inspiradora para o Cinema.

Eis uma das mais felizes adaptações.

Com grandes nomes à frente e atrás das câmaras.

 

Índia, Século XIX.

Três militares britânicos e o seu ajudante nativo procuram destruir uma seita assassina do culto Thuggee.

Gunga Din - Screenshot 1

Gunga Din - Screenshot 4

Gunga Din - Screenshot 3

Gunga Din - Screenshot 5

Gunga Din - Screenshot 6

Aventura exótica clássica que assenta na dinâmica do trio protagonista, na forma como agem e se complementam, na personalidade de cada um, onde todas as complicações e peripécias se resolvem com cavalheirismo, sorrisos e destreza.

Gunga Din - Screenshot 7

Gunga Din - Screenshot 9

Em paralelo há a presença humilde e dedicada de um nativo que “só” pretende ser um militar de Sua Majestade.

Gunga Din - Screenshot 13

Gunga Din - Screenshot 14

Gunga Din - Poster 22

Gunga Din - Screenshot 15

É a aventura e vontade do simpático Gunga Din, a sua relação com os três militares e a cumplicidade entre eles que valorizam ainda mais o humor e a riqueza humana da narrativa.

Gunga Din - Lobbycard 1

Gunga Din - Lobbycard 2

Gunga Din - Lobbycard 3

Gunga Din - Screenshot 23

Gunga Din - Screenshot 24

George Stevens combina, agilmente, ritmo, humor, romance, espectáculo, relevo humano e grande entretenimento (a hilariante apresentação dos três protagonistas é um magnífico exemplo de como introduzir e apresentar personagens; a cena na aldeia é admirável – começa com uma calma tensão e explode numa incrível set piece de estonteante acção).

Gunga Din - Screenshot 19

Gunga Din - Screenshot 17

Gunga Din - Screenshot 16

Gunga Din - Screenshot 8

Cary Grant, Victor McLaglen e Douglas Fairbanks Jr. estão perfeitos no seu cavalheirismo, simpatia, boa disposição e heroísmo, mostrando perfeita química entre eles.

Sam Jaffe é adorável.

Joan Fontaine é uma Lady.

Gunga Din - Screenshot 20

Gunga Din - Screenshot 21

Gunga Din - Screenshot 22

Um alegre momento de aventura exótica, ao nível do melhor do género.

 

Um clássico.

 

Obrigatório.

 

“Gunga Din” tem edição portuguesa e já andou a bom preço. Mas é uma raridade nas lojas (a edição é da “Costa do Castelo”, que muito clássico dos 30s e 40s editou). O filme existe noutros mercados, a bom preço.

Gunga Din - Screenshot 27

Realizador: George Stevens

Argumentistas: Joel Sayre, Fred Guiol, Ben Hecht, Charles MacArthur, William Faulkner (sem crédito), Lester Cohen (sem crédito), John Colton (sem crédito), Vincent Lawrence (sem crédito), Dudley Nichols (sem crédito), Anthony Veiller (sem crédito), inspirados pelo poema de Rudyard Kipling

Elenco: Cary Grant, Victor McLaglen, Douglas Fairbanks Jr., Sam Jaffe, Eduardo Ciannelli, Joan Fontaine, Montagu Love, Robert Coote

 

Trailer

 

Filme

https://ok.ru/video/276410862243

 

O Poema de Rudyard Kipling

 

Orçamento – 1.9 milhões de Dólares

Bilheteira – 2.8 milhões de Dólares

 

Gunga Din - Poster 6

Nomeado para “Melhor Fotografia – P&B”, nos Oscars 1940. Perdeu para “Wuthering Heights” (Gregg Toland)

“Filme a Preservar”, pelo National Film Preservation Board 1999.

Gunga Din - Poster 13

Produção de Pandro S. Berman.

 

Os direitos do poema de Kipling foram adquiridos em 1936 e procurou-se que Howard Hawks realizasse o filme. Hawks pensou em Robert Donat, Ronald Colman, Spencer Tracy, Ray Milland e Franchot Tone. Hawks dedica-se primeiro a “Bringing Up Baby” (1938, também com Cary Grant). O flop deste filme foi decisivo para que o estúdio rejeitasse Hawks.

William Faulkner elabora um primeiro argumento, com Ben Hecht e Charles MacArthur a fazerem alterações quando Hawks ainda estava ponderado como realizador.

Gunga Din - Poster 14

George Stevens chegou a ser cameraman para Hal Roach e filmou muitas comédias com Stan Laurel & Oliver Hardy. Essa experiência na comédia foi determinante para a sua escolha como realizador.

Na fase Hawks, o personagem Cutter ia ter o rosto de Douglas Fairbanks Jr..

Gunga Din - Screenshot 18

Consta que Cary Grant queria mesmo ser Cutter (estava pensado para ser Ballantine – que seria entregue a Fairbanks Jr.) e pediu ao produtor Pandro S. Berman para trocar com Fairbanks Jr..

Consta que Grant sugeriu Fairbanks Jr. (eram grandes amigos) para Ballantine.

Consta que George Stevens pediu a Fairbanks Jr. e a Grant para jogarem ao “cara ou coroa” para se decidir quem ficaria com o personagem Cutter. Grant ganhou.

Gunga Din - Poster 15

Sabu ia ser Gunga Din. Mas o actor estava indisponível, pelo que Sam Jaffe foi chamado. Jaffe tinha 47 anos. Jaffe diria anos depois que baseou a sua interpretação em… Sabu.

John Sturges (futuro realizador de Cinema – “The Magnificent Seven”) era um dos editores (o seu nome não recebe crédito). Sturges faria um remake de “Gunga Din” – “Sergeants 3” (1962, com Dean Martin, Frank Sinatra, Peter Lawford e Sammy Davis Jr.).

Gunga Din - Poster 16

O final ia ter um actor a interpretar Rudyard Kipling (o testemunhar de tais eventos ia inspirá-lo para o poema que inspira o filme). Reginald Sheffield interpretava o escritor. A família do escritor protestou e tal cena foi removida. Recentemente a cena foi restaurada na montagem final.

Gunga Din - Backstage

Filmado na Califórnia.

Recorreu-se a mais de 600 extras.

O filme foi feito antes da independência da Índia.

Na época era o filme mais caro da RKO. Ultrapassou o orçamento inicial em 500.000 Dólares.

Gunga Din - Screenshot 2

Joan Fontaine apaixonou-se por George Stevens durante as filmagens.

Gunga Din - Poster 23

Os personagens Cutter, Ballantine e MacChesney são baseados nos personagens Otheris, Mulvaney e Learoyd, protagonistas de “Soldiers Three”, de… Rudyard Kipling.

O personagem de Cary Grant chama-se Archibald Cutter. Archibald Leach é o nome verdadeiro de Cary Grant.

O som do gongo no genérico inicial é o mesmo que foi usado para chamar “King Kong” (1933).

A cena da ponte foi feita em estúdio com uma ponte criada de propósito, elevada a poucos metros do chão. O fundo é um matte painting.

O confronto final entre o exército britânico e os Thuggees foi uma ideia da RKO, pois considerava o final inicial muito brando.

Gunga Din - Poster 25

Na época, a revista indiana “Filmindia” referia-se negativamente ao filme devido à visão errada da Índia e dos seus habitantes.

Fairbanks Jr. conheceu muitos hindus que acreditavam que o filme tinha sido filmado na Índia.

Gunga Din - Screenshot 10

Douglas Fairbanks Jr. considera que “Gunga Din” é a única obra-prima cinematográfica da sua carreira.

Cary Grant e Joan Fontaine reencontrar-se-iam em “Suspicion” (1941) – realizado por Alfred Hitchcock, Fontaine ganharia o Oscar para “Melhor Actriz”.

Gunga Din - Poster 21

O filme é mencionado numa canção de Bob Dylan, “You Ain’t Goin” –”Clouds so swift and rain fallin’ in / Gonna see a movie called Gunga Din / Pack up your money, pull up your tent, McGuinn / You ain’t goin’ nowhere“.

Nos 80s, Menahem Golan (um dos líderes da Cannon Films) planeou um remake – o seu quarteto ideal era Sean Connery, Michael Caine, Roger Moore e Ben Kingsley.

Em 1998, o American Film Institute incluiu “Gung Din” na lista de 400 filmes candidatos aos “Top 100 Greatest American Movies”.

Em 2000, o American Film Institute incluiu “Gung Din” na lista de 500 filmes candidatos aos ”Top 100 Funniest American Movies”.

Está na posição #74 dos “100 Years…100 Cheers”, do American Film Institute.

Está nos “1001 Movies You Must See Before You Die”, de Steven Schneider.

“Gunga Din” é um dos filmes preferidos de William Goldman (prestigiado escritor, argumentista e script supervisor). O seu primeiro romance, “The Temple of Gold” tem o título como referência ao local do final do filme; o filme é mencionado em “The Princess Bride”.

“Gunga Din” foi uma influência em diversos filmes – “Star Wars – Episode VIII: The Last Jedi” (2017), “Sahara” (1943), “Bridge on the River Kwai” (1957), “Seven Samurai” (1954), “Twelve O’Clock High” (1949), “To Catch a Thief” (1955, também com… Cary Grant), ”Three Outlaw Samurai” (1964), “Letter Never Sent” (1960), “Indiana Jones and the Temple of Doom” (1984).

“Indiana Jones and the Temple of Doom” (1984) tem referências a “Gunga Din” – no jantar, o Capitão Blumburtt fala sobre eventos ocorridos no filme; alguns eventos e cenas são nítidas referências e homenagens ao filme de Stevens.

Rian Johnson obrigou cast & crew a ver “Gunga Din” antes das filmagens de “Star Wars – Episode VIII: The Last Jedi”.

Gunga Din - Poster 20

Sobre Rudyard Kipling:

https://www.goodreads.com/author/show/6989.Rudyard_Kipling

https://www.nobelprize.org/prizes/literature/1907/kipling/biographical/

https://www.britannica.com/biography/Rudyard-Kipling

https://www.poetryfoundation.org/poems/46473/if—

http://www.bbc.co.uk/history/historic_figures/kipling_rudyard.shtml

http://www.poetryloverspage.com/poets/kipling/kipling_ind.html

Gunga Din - Poster 2

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s