The Third Man (1949) – 70 Anos

31

 

Numa Viena pós-guerra, um homem procura um amigo. E encontra uma elaborada trama à volta da sua morte.

 

Grande mistério à volta de um acidente.

Grande drama à volta de uma amizade traída.

Grande tragédia perante um amor cego, um amor protector e dois nunca correspondidos.

 

É Viena como nunca vista em Cinema (aquelas sombras…!!!).

É um conjunto de sequências que não nos largam a memória (é a primeira aparição do third man – um prodígio de planeamento e fotografia; é o encontro entre os dois amigos – um prodígio de escrita e interpretação; é a perseguição final – um prodígio de acção e tensão; é o final – um prodígio de romantismo triste).

É o mystery thriller com uma componente romântica e que atinge uma visão sobre o destino humano.

 

É Joseph Cotten no seu esplendor de romântico derrotado.

É Orson Welles em grande perversidade como amigo.

É Alida Valli como uma luz que ensombra os homens com quem se cruza.

 

É a (grande e erudita) prosa (primeiro como argumento cinematográfico, depois como romance literário) de Graham Greene ao seu melhor nível.

É Carol Reed no seu momento máximo como realizador (embora diga a lenda que houve uma ajuda ilustre – Welles).

É o Cinema de David O. Selznick e Alexander Korda no seu máximo.

 

É tudo e todos a dançaram ao ritmo da bela, enigmática e mítica música de Anton Karas.

 

É o melhor filme britânico de sempre?

Talvez.

(mas nenhum mal haveria em ser… “The Third Film” – depois de “The 39 Steps” e “Brief Encounter”)

 

 

Trailer

 

 

Clips

 

 

O Main Theme de Anton Karas

 

 

O processo de restauro em 4K

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s