A Guerra das Estrelas: Episódio IX – A Ascensão de Skywalker (2019)

 

Título original – Star Wars: Episode IX – The Rise of Skywalker

 

A mais famosa saga do Cinema chega ao fim.

Bom, ao fim desta terceira trilogia.

 

Resistência e Império preparam-se para uma última e definitiva batalha.

Keylo e Rey também têm a derradeira confrontação, onde cada um irá descobrir e definir o seu destino.

Depois de tudo se ter complicado no Episode VIII, é hora de resoluções finais e revelações de verdades.

O filme consegue isso (sim, sabemos finalmente quem são os antepassados de Rey) e até se permite a algumas surpresas (a aparição de um personagem que se julgava morto – não se explica como se dá o “renascimento”, mas estas coisas da Force são muito complexas).

A pensar nos novos personagens (e nos fãs das novas gerações), é-lhes dadas muitas oportunidades de brilharem e serem heróis.

Mas há espaço para a devida nostalgia, com a presença (inesperada) dos heróis originais (e até na cena final, há um cameo de uns “peluches” adoráveis que foram decisivos no final da trilogia original).

Encontra-se enquadramento para o complicado e negro (os dilemas de Rey e Kylo), mas todo o tom é de hope num desfecho feliz para os bons.

À semelhança dos episódios anteriores desta trilogia, voltamos a ter um mix best of da trilogia original – há aqui laivos de “A New Hope” (o “recrutamento” de novos elementos, a determinação ideológica para o combate final, a relevância dos robots), de “The Empire Strikes Back” (a verdade sobre Rey, o seu treino) e “Return of the Jedi” (o confronto final de Rey, o seu duelo sobre qual side da Force escolher, a ajuda vinda do Além).

Sim, esta trilogia não arriscou nem renovou muito. Apenas refez a matriz narrativa da saga que tudo começou.

É uma limitação, mas que funcionou e justifica-se pelas razõe$ desta nova trilogia.

Os autores não quiseram (tanto neste filme como nos outros – apesar de haver uma certa mudança de tom e a procura de novos rumos narrativos no Episode VIII) arriscar nem complicar, pelo que seguiram linhas narrativas já exploradas e comprovadas, limitando-se a um rejuvenescimento nos personagens, criando a ideia que tudo era novo e fresco.

O título é inteligente e traduz os laços emocionais de alguns dos personagens centrais, suscitando expectativa sobre o seu significado ao longo de toda a metragem (o final é bonito e comovente).

Magníficos efeitos visuais (que impressionam no duelo no mar e na batalha final) da ILM.

John Williams conhece a saga desde o início e sabe bem que score compor para cada episódio.

O Master John volta a fazer um conjunto de músicas à altura do seu prestígio, da saga e do que o filme exige.

J.J. Abrams regressa à saga (tinha assinado o Episode VII) e volta a fazer um filme rápido, vistoso, espectacular, em plena sintonia com espírito Space Opera do género e da saga, fazendo com que tudo fique mais colorido e optimista.

Elenco em sintonia e em boa prestação, mostrando que souberam evoluir nos personagens (Oscar Isaac consegue, finalmente, convencer como líder e herói). Daisy Ridley e Adam Driver dominam, conseguindo entregar determinação emocional aos personagens e entre si.

A pensar nos fãs “velhinhos”, é feito o regresso dos heróis da trilogia original, a surgirem nos momentos mais oportunos.

Lamenta-se que Carrie Fisher não tenha tido mais screen time, mas as circunstâncias não o permitiram (a actriz já tinha falecido antes do começo das filmagens). Mas Leia é decisiva num par de momentos e o filme consegue um emotivo Farewell a Leia & Carrie.

É o mais rápido, divertido, espectacular e entretido episódio desta terceira trilogia.

Um correcto final de saga. Mas que deixa (subtilmente) algumas portas abertas. Virão os Episodes X, XI e XII?

 

The Force will be with us. Always.

 

Muito recomendável.

 

“Star Wars IX” está nas nossas salas.

Realizador: J.J. Abrams

Argumentistas: Chris Terrio, J.J. Abrams, Derek Connolly, Colin Trevorrow, a partir dos personagens criados por George Lucas

Elenco: Daisy Ridley, Adam Driver, Carrie Fisher, Mark Hamill, Ian McDiarmid, Oscar Isaac, Domhnall Gleeson, John Boyega, Billy Dee Williams, Joonas Suotamo, Dominic Monaghan, Richard E. Grant, Anthony Daniels, Billie Lourd, Keri Russell, Andy Serkis, Lupita Nyong’o, Harrison Ford

 

Site:

https://www.starwars.com/films/star-wars-episode-ix-the-rise-of-skywalker

 

Orçamento – 200 milhões de Dólares

Bilheteira (até agora) – 341 milhões de Dólares (USA); 704 (mundial)

 

George Lucas planeou a saga com 12 episódios. Depois reduziu para 9.

C-3PO e R2-D2 seriam os únicos personagens constantes. Lucas queria que os eventos fossem sempre vistos pelo ponto de vista dos dois robots.

 

Colin Trevorrow (“Jurassic World”) ia ser o realizador. Trevorrow saiu de cena por conflitos criativos com a LucasFilm (a proprietária da saga). Trevorrow chegou a plenear filmar no Espaço. O argumento de Rian Johnson (“Star Wars VIII”) estragou os planos narrativos de Trevorrow para “Star Wars IX” (precisava de Luke vivo).

Johnson (que assinou “Star Wars VIII”) foi convidado para realizar, mas preferiu fazer “Knives Out” (2019).

J.J. Abrams (que já tinha assinado “Star Wars VII”) é chamado e torna-se o segundo realizador a fazer mais que um filme na saga. George Lucas assinou 4 filmes – “Star Wars IV”, “Star Wars I”, “Star Wars II” e “Star Wars III”.

Depois de “Solo: A Star Wars Story”, é o novo filme da saga “Star Wars” a ter mudança de realizador.

 

Mark Hamill esteve para não participar no filme, devido aos seus conflitos criativos com Johnson em “Star Wars VIII”, em relação às ideias narrativas para Luke. Hamill estava obrigado pelo contrato (era para 3 filmes) e gostou do argumento.

Carrie Fisher faleceu em 2017. A sua presença no filme recorre a footage não usada em “Star Wars VII”.

Billy Dee Williams (Lando Calrissian) regressa da saga original, seguindo assim os passos de Harrison Ford (Han Solo) em “Star Wars VII”, Mark Hamill (Luke Skywalker) em “Star Wars VII/VIII/IX” e Carrie Fisher (Princesa Leia Organa) em “Star Wars VII/VIII/IX”. Williams sempre manifestou interesse em regressar à saga. Rian Johnson considerou a sua presença em “Star Wars VIII”, mas não conseguiu arranjar uma justificação para a sua vinda.

Ian McDiarmid (Imperador Palpatine) regressa à saga, depois de “Star Wars V”, “Star Wars VI”, “Star Wars I”, “Star Wars II” e “Star Wars III”.

Anthony Daniels (C-3PO) é o único actor a ter participado nos 9 filmes da saga.

John Williams compõe o nono score para a saga “Star Wars”. Será o seu último para ela.

 

Leia ia ser a personagem-chave neste episódio. A morte de Carie Fisher obrigou a fazer mudanças no argumento.

 

Filmado em película 35mm e 70mm. É o primeiro filme da saga a ser inteiramente filmado em película desde “Star Wars VI: Return of the Jedi” (1983).

A segurança nas filmagens era apertadíssima, por forma a assegurar que não haveria fuga de informações.

Curiosidades sobre “Star Wars”:

https://www.gamesradar.com/star-wars-facts/

https://www.empireonline.com/movies/features/star-wars-behind-scenes/

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s