Enigma (1944)

Murder, My Sweet - Poster 1

 

Título original – Murder, My Sweet

 

Raymond Chandler é um dos grandes Mestres (se não mesmo O Mestre) da literatura Hardboiled Noir.

Chandler praticamente que definiu as regras e o estilo do género, sendo a eterna referência para muito escritor que se (e o) seguiu.

Philip Marlowe é a sua mais popular criação. Rude, individualista, íntegro, cínico, batido pela vida, duro, Marlowe é a quintessência do Private Detective, sendo o modelo de inspiração a todo o Private Eye que veio depois.

É óbvio que o Cinema nunca poderia ignorar tal material.

Eis uma (feliz) adaptação, vinda de um dos melhores livros do escritor.

Dirige um bom artesão para o género.

Protagoniza um actor inesperado – Dick Powell.

 

Philip Marlowe, detective privado, é contratado por um ex-presidiário para que lhe encontre a antiga namorada.

As dificuldades surgem (já ninguém vê a rapariga há anos e ninguém sabe dela), mas tudo se complica ainda quando os cadáveres começam a surgir, vindos de lados que (aparentemente) nada têm a ver com o caso.

Murder, My Sweet - screenshot 48

“Farewell, My Lovely” (o livro que inspira o filme) é um dos melhores romances de Chandler/Marlowe e tinha mesmo de originar um grande filme.

Murder, My Sweet - screenshot 2

Murder, My Sweet - screenshot 3

Murder, My Sweet - screenshot 5

Murder, My Sweet - screenshot 6

Murder, My Sweet - screenshot 8

Eis um Detective Noir ao nível dos grandes.

 

Bons meios de produção, fotografia bem negra e contrastada, história densa e complicada, secundários relevantes, femme fatale bem perigosa e um protagonista bem definido.

Murder, My Sweet - screenshot 9

Murder, My Sweet - screenshot 10

Murder, My Sweet - screenshot 11

Murder, My Sweet - screenshot 12

Murder, My Sweet - screenshot 13

Murder, My Sweet - screenshot 14

Murder, My Sweet - screenshot 15

Murder, My Sweet - screenshot 16

Tudo no sítio, tratado com estilo, carisma e talento.

Murder, My Sweet - screenshot 17

Murder, My Sweet - screenshot 18

Murder, My Sweet - screenshot 19

Murder, My Sweet - screenshot 20

Murder, My Sweet - screenshot 21

Murder, My Sweet - screenshot 22

Murder, My Sweet - screenshot 23

Murder, My Sweet - screenshot 24

Murder, My Sweet - screenshot 25

Atenção à cena do pesadelo – admirável o trabalho cénico, fotográfico e de planeamento visual.

Murder, My Sweet - screenshot 29

Murder, My Sweet - screenshot 26

Murder, My Sweet - screenshot 28

Murder, My Sweet - screenshot 27

Murder, My Sweet - screenshot 31

Murder, My Sweet - screenshot 32

Murder, My Sweet - screenshot 33

Murder, My Sweet - screenshot 34

Dick Powell é, de facto, um Marlowe inesperado e, à partida, algo impossível. Mas o actor surpreende pela sua destreza para o género e recria o Marlowe conforme Chandler o criou – cavalheiro, cínico, honesto, profissional, competente, heróico.

Claire Trevor é uma tentação, provocação e fatalidade.

Bom trabalho do restante elenco.

Murder, My Sweet - screenshot 35

Murder, My Sweet - screenshot 39

Edward Dmytryk sabia trabalhar todos os géneros e tem aqui um momento de glória.

Murder, My Sweet - screenshot 42

Murder, My Sweet - screenshot 44

Murder, My Sweet - screenshot 43

Murder, My Sweet - screenshot 47

Murder, My Sweet - screenshot 45

Murder, My Sweet - screenshot 46

Os romances de Chandler começam no Cinema e entram logo pela porta grande.

Um modelo do género e de adaptações de Chandler/Marlowe.

 

Uma maravilha.

Um clássico.

 

Obrigatório.

 

“Murder, My Sweet” não tem edição portuguesa, mas existe noutros mercados, a bom preço.

Murder, My Sweet - screenshot 36

Murder, My Sweet - screenshot 38

Murder, My Sweet - screenshot 37

Murder, My Sweet - screenshot 41

Realizador: Edward Dmytryk

Argumentista: John Paxton, a partir do romance de Raymond Chandler (“Farewell, My Lovely”)

Elenco: Dick Powell, Claire Trevor, Anne Shirley, Otto Kruger, Mike Mazurki, Miles Mander, Douglas Walton, Donald Douglas, Ralf Harolde, Esther Howard

 

Trailer

 

Orçamento – 400.000 Dólares

Bilheteira – 1 Milhão de Dólares

 

Murder, My Sweet - Poster 4

“Melhor Filme”, nos Edgar Allan Poe 1946.

Murder, My Sweet - Poster 2

A RKO estava à beira de falência e contratou Dick Powell para fazer vários musicais, na esperança de ter vários sucessos nas bilheteiras. O actor aceitou o contrato, mas com a condição que faria filmes mais dramáticos.

Murder, My Sweet - Poster 13

Powell queria tanto mudar de registo, que até chegou a tentar ser protagonista em “Double Indemnity” (1944, de Billy Wilder, com Barbara Stanwyck; Fred MacMurray derrotou Powell). Curiosamente, o filme foi escrito por Raymond Chandler (ainda que a partir de um romance de James Cain).

Murder, My Sweet - Backstage - Claire Trevor and Edward Dmytryk

Edward Dmytryk chegou a ficar assustado com a escolha de Powell para Philip Marlowe.

Murder, My Sweet - Poster 12

Powell era um popular actor em musicais (depois teria o seu TV Show). O título inicial do filme era “Farewell, My Lovely” (seguindo assim o título do romance de Chandler). Mas muito do público julgou, pelo título, que seria um musical. O estúdio mudou o título para “Murder, My Sweet”. Tal compensou – as receitas na bilheteira subiram.

Murder, My Sweet - Poster 7

Raymond Chandler elogiou bastante a interpretação de Dick Powell e considerou-o o melhor Philip Marlowe do Cinema.

Murder, My Sweet - lobbycard 4

Perante o sucesso do filme, o Presidente da RKO decidiu retirar Powell de musicais e dar-lhe protagonismo em mais Film Noir e Actioners.

É o último filme de Anne Shirley. A actriz retirou-se do movie business em 1944, com 26 anos.

Murder, My Sweet - screenshot 1

Para a primeira aparição de Moose Malloy (Mike Mazurki), Dmytryk usou um truque simples, engraçado e eficaz, no sentido de dar um look imponente ao personagem. O seu reflexo na janela não era suficientemente intimidante, pois a dita estava muito longe da câmara. Dmytryk colocou uma placa de vidro entre a câmara e Marlowe (Powell), pelo que o reflexo de Malloy mostrava uma pessoa mais intimidante.

Para dar um ar que Mazurki era muito alto e intimidante, Dmytryk fez alterações nos tectos dos sets, para alterar a perspectiva.

Na cena em que Marlowe fica drogado, Dmytryk recorreu a outro truque simples – mover a câmara com rapidez à medida que se afastava do actor.

Murder, My Sweet - screenshot 40

Para o tiroteio final, o realizador usou um truque parecido para reflectir o brilho da pólvora a sair dos canos das armas.

O revolver de Marlowe é um Colt Model 1903 Pocket Hammerless .32.

Filmado em 44 dias.

Murder, My Sweet - lobbycard 3

No Reino Unido, o filme recebeu o título “Farewell, My Lovely”.

Murder, My Sweet - lobbycard 2

O “Lux Radio Theater” emitiu uma versão radiofónica de 60 minutos, em Junho de 1945. Dick Powell e Claire Trevor retomaram os seus personagens.

 

O “Hollywood Startime” emitiu uma versão radiofónica, em 1948. Powell regressava a Marlowe, Mary Astor dava-lhe a réplica.

 

Sobre os actores que interpretaram Philip Marlowe:

https://www.signature-reads.com/2013/07/the-many-faces-raymond-chandlers-philip-marlowe-besides-humphrey-bogart/

Murder, My Sweet - lobbycard 1

Está nos “1001 Movies You Must See Before You Die”, de Steven Schneider.

 

O romance de Raymond Chandler teria outras versões:

  • “The Falcon Takes Over” (1942), de Irving Reis, com George Sanders (mas em vez de Marlowe, o protagonista é “The Falcon”).
  • “Farewell, My Lovely” (1975), de Dick Richards, com Robert Mitchum e Charlotte Rampling. Era uma nova versão cinematográfica do romance de Chandler.

 

Sobre os actores que interpretaram Philip Marlowe:

https://www.signature-reads.com/2013/07/the-many-faces-raymond-chandlers-philip-marlowe-besides-humphrey-bogart/

Farewell, My Lovely - Book Cover 1

Raymond Chandler tem muitos dos seus romances editados em Portugal.

Aconteceu na “Colecção Vampiro” dos Livros do Brasil. Em formato de bolso (na colecção generalista) e depois em formato gigante (na colecção dedicada). Estas edições são uma raridade e só em alfarrabistas é que se podem encontrar.

Recentemente foi feita uma tentativa (bem tímida) de voltar a haver Chandler no nosso mercado livreiro. A Contraponto editou dois romances (“The Big Sleep” e “Lady in the Lake”), a Presença editou um (“The Long Goodbye”). E nada mais há e nada mais se sabe sobre continuidade de edições.

 

Sobre Raymond Chandler:

https://www.britannica.com/biography/Raymond-Chandler

https://www.biography.com/people/raymond-chandler-9244073

https://www.esquire.com/uk/culture/news/a6742/raymond-chandler-quotes/

https://www.brainpickings.org/2013/05/08/raymond-chandler-on-writing/

https://www.bookwitty.com/text/9-great-raymond-chandler-quotes-on-writing-and/59564ed950cef746d7105f5d

https://www.psychologytoday.com/us/blog/creating-in-flow/201312/12-surprising-facts-about-raymond-chandler

https://www.livrosdobrasil.pt/autor/raymond-chandler

http://www.detnovel.com/chandler.html

https://www.goodreads.com/author/show/1377.Raymond_Chandler

http://www.thrillingdetective.com/trivia/chandler.html

Murder, My Sweet - Poster 6

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s