À Procura de Dory (2016)

Finding Dory - Poster 6
Título original – Finding Dory

 

É o oceano de diversão que a Pixar propõe para o Verão de 2016.

Sequela de “Finding Nemo” (2003), um dos maiores sucessos do estúdio e o maior desse ano.

Regressam personagens do filme original e surgem outros, com cenários vindos do filme original, mas viagens a novos lugares.

 

Dory continua a ser uma amiga adorável, mas sempre esquecida (tem problemas de memória).

Mas Dory nunca esqueceu que perdeu os pais. É grande a necessidade de os reencontrar. E faz-se ao mar na procura deles.

Muitas criaturas vai encontrar e peripécias viver.

Finding Dory - screenshot 1

Finding Dory - screenshot 3

“Finding Nemo” era, no meio de toda aquela prodigiosa animação (nunca se tinha visto o mundo marítimo com aquela forma e textura, em animação), uma viagem sobre o amor paternal (é a odisseia de um pai em busca do filho), a essência familiar (Dory torna-se presença vital para Nemo e o pai), a amizade (entre Dory, Nemo e o pai dele), o direito à diferença (Nemo tem uma barbatana mais pequena que outra) e a devida consciência ecológica (a necessidade de protecção ao ecossistema marítimo e preservação das suas espécies).

Finding Dory - screenshot 19

Finding Dory - screenshot 13

“Finding Dory” revisita os mesmos temas.

Mas não se pense que isto é déja vu.

Os autores encontram uma nova história para contar, onde passam alguns dos valores, sentimentos e emoções vistas no filme anterior, mas com “roupagens” novas.

Finding Dory - screenshot 12

Finding Dory - screenshot 15

E, afinal, não serão todas as histórias sobre pessoas (ou criaturas) em busca dos seus próximos sempre sobre as mesmas emoções (universais e intemporais)?

Como sempre nos filmes Pixar (e Disney), as histórias que envolvem criaturas (reais ou imaginárias) são analogias sobre eventos que acontecem (ou podem acontecer) ao ser humano.

Finding Dory - screenshot 7

Finding Dory - screenshot 20

“Finding Dory” é uma viagem de uma mulher (uma “peixa”) em busca das suas origens, dos seus, em busca do preenchimento do seu vazio existencial.

É também uma viagem à essência da família e da amizade.

 

Tudo mostrado com delicadeza e sensibilidade, capaz de chegar aos corações de miúdos e graúdos.

Finding Dory - screenshot 8

Mas isto é animação.

E da Pixar (sim, e da Disney).

Portanto…

Finding Dory - screenshot 6

Finding Dory - screenshot 9

O trabalho técnico é, mais uma vez, um passo em frente em matéria de tudo o que o género (e o estúdio) já nos deu.

A sensação dada pelo mar, pela paisagem subaquática permite uma imersão total do espectador naquele mundo.

A riqueza, variedade e detalhe dado à paisagem e às criaturas diversas são absolutamente estonteantes.

E depois…

Finding Dory - screenshot 18

Finding Dory - screenshot 21

Yup. Os personagens.

Como sempre, surgem criaturas maravilhosas, plenas de encanto e humor, cativantes de toda a nossa simpatia.

Se por um lado temos o regresso de personagens que já conhecemos (sim, estão de regresso Nemo e o pai, as tartarugas radicais), surgem também novos (o destaque vai para um polvo, de dotes camaleónicos, que rouba o filme).

Finding Dory - screenshot 16

Finding Dory - screenshot 17

O trabalho vocal (refiro-me às vozes originais) é magnífico.

 

Bela música de Thomas Newman (filho do lendário Randy, figura emblemática dos filmes da Pixar).

Finding Dory - screenshot 2

Enfim, mais uma pérola da Pixar, que nunca pára de encantar, divertir e surpreender.

 

Obra-prima.

 

Obrigatório.

 

“Finding Dory” está nas salas portuguesas, em 2D 3 3D, falado em Português e em Inglês.

 

PIPER

Cheguem a tempo à sala, pois antes de “Finding Dory” há a (habitual) curta da Pixar.

É “Piper”, sobre uma adorável ave marinha e a sua primeira aventura à descoberta do seu mundo.

Maravilhoso. E de uma perfeição ímpar na criação de ambientes e criaturas.

E a descoberta de um novo e jovem realizador (Alan Barillaro), que muito pode dar no campo da animação.

 

Finding Dory - screenshot 22

 

Realizadores: Andrew Stanton, Angus MacLane

Argumentistas: Andrew Stanton, Victoria Strouse, Bob Peterson, Angus MacLane

Vozes: Ellen DeGeneres, Albert Brooks, Ed O’Neill, Kaitlin Olson, Hayden Rolence, Ty Burrell, Diane Keaton, Eugene Levy, Sloane Murray, Idris Elba, Dominic West, Bob Peterson, Kate McKinnon, Bill Hader, Sigourney Weaver, Andrew Stanton, John Ratzenberger, Angus MacLane, Willem Dafoe, Allison Janney, Austin Pendleton

 

Site – http://movies.disney.com/finding-dory

 

Orçamento – 200 milhões de Dólares

Bilheteira (até agora) – 447 milhões de Dólares (USA); 723 (mundial)

 

Finding Dory - Poster 1

O filme ia estrear em Novembro de 2015, mas devido à estreia de “The Good Dinosaur” (ele também vitima de uma alteração de data de estreia), esta foi adiada para o Verão de 2016.

 

O filme ia ser localizado num parque aquático, mas depois da Pixar ter visto (e ter ficado chocada) o documentário (controverso) “Blackfish” (2013), o estúdio mudou para um instituto de biologia marinha.

Apesar dos filmes estarem distantes por 13 anos, a narrativa passa-se um ano depois de “Finding Nemo”.

Finding Dory - screenshot 23

Sigourney Weaver regressa a um filme Pixar, depois de “WALL-E” (2008). Volta a dar a voz à máquina que controla o local da acção.

Nemo muda de voz – Alexander Gould deu-lhe voz em “Finding Nemo”, agora o personagem recebe a voz de Hayden Rolence. Gould já estava crescido e a sua voz estava alterada.

Finding Dory - screenshot 5

Dory tem 25 milhões de Likes na sua página do Facebook. Torna-se assim o personagem mais amado da galeria Pixar/Disney.

Finding Dory - Poster 5

Depois de “Cars 2” (2011), “Finding Dory” é o novo filme Pixar exibido em IMAX.

 

Cameo de alguns pesonagens de outros filmes Pixar – as crianças do centro infantil de “Toy Story 3” (2010), alguns adultos e adolescentes de “Inside Out” (2015).

 

Terceira sequela Pixar, onde o protagonismo da sequela é de um personagem secundário no filme original – Marlin era protagonista em “Finding Nemo”, Dory era secundária e agora é protagonista; Mike fica protagonista em “Monsters: University”, no original era Sully; Mater fica como protagonista em “Cars 2”, em “Cars” era Lightning McQueen.

 

“Finding Dory” tem agora o recorde de bilheteira de um fim-de-semana, para um filme de animação – 136 milhões de Dólares.

 

Sobre a Pixar – http://www.pixar.com/

 

Sobre a Disney

http://disney.pt/

http://www.disneystore.pt/

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s