Back to the Future – A Trilogia

Back to the Future - Logo
30 anos.

É o tempo que já viajamos na companhia desta saga.

Aproveitemos a celebração para esta viagem.

Até porque já passamos por uma data da saga (21 de Outubro de 2015, em “Back to the Future – Part II”).

Muitas das coisas previstas em “Back to the Future – Part II” já são uma realidade.

E já está entre nós uma nova (e fabulosa) edição comemorativa (30 anos) da saga.

 

Bons motivos, portanto, para se viajar até uma das mais conseguidas, populares, clássicas e perfeitas trilogias/sagas que o Cinema nos deu.

 

Ou apenas porque…

“Back to the Future” é a minha saga/trilogia favorita de todo o Cinema.


Back to the Future - Poster 1

 

Regresso ao Futuro (1985)

 

Título Original – Back to the Future

 

O filme que inicia a viagem.

No glorioso ano de 1985 (não houve melhor Movie Summer que esse).

Robert Zemeckis vinha do (imenso) sucesso de “Romancing the Stone”.

Steven Spielberg era um todo-o-poderoso como realizador e andava a patrocinar filmes, de outros realizadores, filiados num modelo narrativo, temático e estético do agrado do autor de “E.T.”.

Back to the Future - screenshot 1

Hill Valley, 1985.

Marty McFly é adolescente e tem uma boa vida. Jennifer, a sua namorada, é um sonho e adora-o. Marty lidera uma rock band em afirmação. Doc Emmett Brown, cientista e inventor, é um grande amigo seu.

Só é pena que o pai seja um looser e a mãe tão moralista.

Numa noite, Marty assiste a uma experiência da nova invenção de Doc – uma máquina do tempo. Num DeLorean.

Devido a um azar, Marty tem de se meter no carro e fugir. Uma fuga que o leva a 1955.

Marty aproveita para passear pela zona, descobrir os ambientes, conhecer um Doc mais jovem e descobrir os seus (futuros) pais.

Uma descoberta que o vai surpreender (os comportamentos dos futuros pais), mas que lhe dará a possibilidade de mudar o futuro.

Só que surgem duas (grandes) dificuldades – como juntar os (futuros) pais e como regressar ao futuro.

 

O tema das viagens no tempo é um fascínio eterno no ser humano.

As expressões artísticas sempre manifestaram interesse e ideias sobre tal – Literatura, Cinema, Televisão e Banda Desenhada.

Quem já desejou viajar no tempo?

Quem já quis mudar o passado da sua vida e o dos que o rodeiam?

Back to the Future - screenshot 3

“Back to the Future” toca nesses temas, sonhos e fantasias.

E fá-lo, magistralmente, ao combinar, magistralmente, diversos géneros – sci-fi, comédia, drama, acção e história de adolescentes.

Back to the Future - screenshot 4

Com um argumento que é um manancial de simplicidade, mas também uma mina de precisão, detalhe e consistência, o filme diverte, entusiasma, permite escapismo, emociona e comove.

Brinca-se à sci-fi dos 50s (o melhor período do género), às comédias clássicas (Frank Capra e Howard Hawks têm aqui influência – Capra pela visão positiva da vida, das pessoas, das relações e do quotidiano de uma povoação; Hawks pela força da amizade entre Marty e Doc), havendo também uma certa filiação no modelo actioner B (tão do agrado de Spielberg, que já nos tinha dado duas aventuras com Indiana Jones).

À boa maneira clássica, o filme consegue ser também uma história de uma profunda e sólida amizade – Marty & Doc. À maneira de Hawks, percebe-se (rapidamente) o quanto ambos são amigos e unidos, não sendo necessárias explicações sobre como se conheceram e porque surgiu o (bom) entendimento entre ambos.

Mas também há lugar para uma sentida história de amor – a de um filho pelo seu pai.

Um pormenor muito relevante é que o protagonista não é movido por interesses banais ou por heroísmo. Marty age por altruísmo, procurando salvar o pai, a mãe, os irmãos, ele próprio e Doc.

Back to the Future - screenshot 16

O filme é pleno de situações de diálogos que geram um desfile de gargalhadas, ficando logo na memória.

E é imensa a envolvência que é conseguida por parte dos personagens e situações junto do espectador.

Mary & Doc, feitos Arthur e Merlin dos tempos modernos, são dos melhores e mais queridos personagens/duplas de sempre.

Back to the Future - screenshot 18

Back to the Future - screenshot 19

Back to the Future - screenshot 20

Back to the Future - screenshot 10

Excelente fotografia (do grande Dean Cundey), que nos faz uma deliciosa viagem nostálgica aos 50s.

Excelente e memorável banda sonora (de Alan Silvestri).

Excelentes e memoráveis canções (desde clássicos dos 50s até aos temas criados por Huey Lewis & The News).

Excelente reconstituição da época, apoiada nos excelentes trabalhos de cenografia e guarda-roupa.

 

Robert Zemeckis dirige com estilo, ritmo, engenho, criatividade, combinando muito bem todos os géneros e influências, com boas ideias visuais.

Back to the Future - screenshot 7

MSDBATO EC083

Back to the Future - screenshot 17

Fiel ao Cinema clássico, há a relevância dos secundários.

Crispin Glover é excelente como o tímido George McFly.

Thomas F. Wilson é asqueroso como Biff Tannen (provavelmente o mais divertido vilão de sempre).

James Tolkan é hilariante como o rigoroso Principal da escola.

Lea Thompson é encantadora como Mrs. McFly (veja-se o contraste entre a sua moralidade como mãe e a sua atitude como adolescente).

Back to the Future - screenshot 8

E à maneira do Cinema clássico, há puro ouro nos protagonistas.

Para além da electrizante química que mostram em conjunto, há a excelência do trabalho individual.

Christopher Lloyd é absolutamente magnífico a compor um cientista louco, mas genial, totalmente fiel ao seu amigo.

Michael J. Fox é um prodígio de comicidade, carisma, entrega emocional, simpatia e heroísmo, mostrando uma enorme destreza física para as emoções (vejam-no perante a sua mãe, ainda jovem, a fazer-se a ele; a forma como tenta ajudar o seu futuro pai; a firmeza perante Biff, a dor perante Doc, tentando-o avisar sobre o trágico futuro) e para a acção (vejam-no em acção no seu skate).

Back to the Future - screenshot 2

E se há brilho na química entre Fox e Lloyd, é toda uma constelação na interacção entre todos os membros do elenco.

Como se fosse pouco, este filme é um daqueles casos em que o casting é um exercício de perfeição, que só pode ter sido elaborado num paraíso cinéfilo. Qualquer um dos actores nasceu, ou já tinha no seu destino, estar neste filme com aquele personagem.

Back to the Future - screenshot 14

Uma quintessência de cinema escapista, do cinema teen, do cinema de Spielberg e de Zemeckis, do cinema 80s, do/de Cinema.

 

Não há que ter medo das palavras.

“Back to the Future” É uma obra-prima de Cinema.

Um ícone do género e do teen cinema 80s.

Um cume nas filmografias de Spielberg e Zemeckis (até porque cada um deles, infelizmente, já não faz Cinema assim).

Um clássico indiscutível.

 

Obrigatório e imprescindível.

 

“Back to the Future” tem edição portuguesa.

Back to the Future - screenshot 13

 

Realizador: Robert Zemeckis

Argumentistas: Robert Zemeckis, Bob Gale

Elenco: Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Lea Thompson, Crispin Glover, Thomas F. Wilson, Claudia Wells, Marc McClure, Wendie Jo Sperber, George DiCenzo, Frances Lee McCain, James Tolkan, J.J. Cohen, Casey Siemaszko, Billy Zane, Harry Waters Jr.

 

Site – http://www.backtothefuture.com/

 

Orçamento – 19 milhões de Dólares

Bilheteira – 210 milhões de Dólares (USA); 381 milhões de Dólares (mundial)

Mercado doméstico – 105 milhões de Dólares (USA)

 

Trailers

 

O trailer comemorativo dos 25 anos

(que homenageia o teaser original)

 

O trailer comemorativo dos 30 anos

 

O DeLorean

 

Marty conhece o futuro Pai

 

Marty conhece a futura mãe

 

Marty conhece o Doc de 1955

 

A perseguição

 

Marty a inventar o rock`n` rol (e o hard rock)

 

De Regresso ao… Futuro

 

Making of

 

Os locais

 

Reunião do Cast

(25 anos depois)

 

Recordações

 

Back to the Future - screenshot 5

“Melhor Efeitos Sonoros”, nos Oscars 1986. Esteve nomeado para “Melhor Argumento Original” (perdeu para “Witness”) e “Melhor Canção” (“The Power of Love” dos Huey Lewis & The News foi derrotada por “Say You, Say Me”, de Lionel Richie para o filme “White Nights”).

“Melhor Filme de Ficção Científica”, “Melhor Actor” (Michael J. Fox), “Melhores Efeitos Especiais”, nos Prémios Saturn 1986.

“Melhor Filme Estrangeiro”, pela Academia Japonesa 1987.

“Melhor Argumento Estrangeiro”, “Melhor Produtor Estrangeiro” (Steven Spielberg), nos David di Donatello 1986.

“Melhor Special Edition”, nos Prémios DVD Exclusive 2003.

“Melhor Edição DVD/Blu-Ray”, nos Prémios Golden Schmoes 2010.

“Melhor Filme”, nos Prémios Hugo 1986.

“Melhor Reedição”, nos Prémios International Film Music 2009.

“Melhor Filme Internacional”, “Melhor Actor Internacional” (Michael J. Fox), nos Prémios Jupiter 1985.

“Escolha do Público”, nos Prémios People’s Choice 1986.

“Menção Especial”, em Veneza 1985.

“Melhor Filme de Família – Aventura”, nos Prémios Young Artist 1986.

“Filme a Preservar”, pelo National Film Registry 2008.

Back to the Future - screenshot 11

A ideia para o argumento surgiu em Robert Zemeckis e Bob Gale, quando conversavam sobre os seus pais, como eles eram/seriam na sua adolescência, se poderiam ser amigos na escola.

O argumento ficou pronto em 1981.

Muitos estúdios rejeitaram o argumento. O argumento chegou mesmo a ter 40 rejeições.

Uma delas veio da Disney, que não via com bons olhos a ideia da mãe se apaixonar pelo futuro filho.

A Columbia rejeitou porque o argumento não tinha sexo.

(na época, as sex comedies eram moda)

Zemeckis tinha vários flops na sua carreira. Escreveu “1941” para Spielberg e o filme falhou. O debut de Zemeckis como realizador foi com “I Wanna Hold Your Hand” (maravilhosa revisitação aos 60s e ao impacto dos The Beatles) e o filme falhou. O mesmo aconteceu com “Used Cars” (maravilhosa revisitação ao slapstick). Spielberg tinha produzidos esses dois filmes e apostava em “Back to the Future”, mas Zemeckis tinha medo que o filme falhasse e não queria que Spielberg ficasse com o seu nome ligado a tantos flops, sempre da autoria de Zemeckis.

Quando Michael Douglas aposta em Zemeckis para “Romancing the Stone”, as coisas mudam. O filme é um sucesso enorme e Zemeckis volta a estar no mapa.

Spielberg e Zemeckis voltam a falar sobre “Back to the Future” e a produção avança.

Back to the Future - backstage - Michael J. Fox and Robert Zemeckis

Michael J. Fox foi sempre a primeira escolha para Marty. Mas Michael estava ocupado com a (excelente) série televisiva “Family Ties”. Perante tal e a indisponibilidade do actor face à agenda de filmagens para os dois trabalhos, Michael foi substituído por Eric Stolz.

As filmagens começam e logo se dá conta que Stolz não funciona. Não está em causa o seu talento, mas Eric não tem piada, não dá ao personagem o que Zemeckis e Gale pretendem e não há química com Christopher Lloyd.

Fox volta a ser a (única) opção. Mas filmar “Back to the Future” interfere com “Family Ties”. As filmagens da série não podem ser interrompidas. As do filme também não, pois a Universal quer estrear o filme em Maio de 1985.

Spielberg entra em cena. O autor de “Raiders of the Lost Ark” dá-se bem com Gary David Goldberg, o autor e produtor de “Family Ties”. Goldberg cede Fox, mas com a condição que “Back to the Future” não interfere com “Family Ties”. Spielberg aceita.

De dia, Fox filmava “Family Ties”. Findas as filmagens, Fox é levado (no avião de Spielberg) até ao set de “Back to the Future”. As filmagens decorrem de noite (das 18.30 até às 02.30; à Sexta-Feira, das 22.00 até às 06.00). As diurnas são apenas ao fim-de-semana. Fox dormia cerca de 5 horas por dia.

Fox via em Marty um reflexo dele próprio, quando adolescente. O actor também andava de skate, perseguia as pretty girls da escola e tocava numa rock band.

Estas mudanças, que exigiam novas filmagens (com Fox) e ligeiras pausas (a saída de Stolz e a espera por Fox), causam um aumento de 3 milhões de Dólares no orçamento (que estava em 14) e a ter de se refilmar 5 semanas prévias (tudo o que foi filmado com Stolz teve de ser filmado novamente, agora com Fox).

 

Eis o teaser com Eric Stolz

 

Sobre todo este processo

 

Michael J. Fox vs. Eric Stolz

 

Mesmo assim, Stolz ainda “participa” no final cut de “Back to the Future”

Back to the Future - Eric Stoltz vs Michael J. Fox

Sidney Sheinberg, executivo da Universal, exigiu mudanças – a mãe de Marty mudava de Meg para Lorraine (Sidney estava casado com Lorraine Gary – que já tinha participado em “Jaws”, de Spielberg, produzido pela Universal); Brown passava a ser Doc (era Professor), Doc tem um cão (e não um chimpanzé). Todas foram aceites, excepto a mais radical – Sheinberg queria que o filme se chamasse “Spaceman from Pluto”, pois estava convencido que nenhum filme teria sucesso com a expressão “Future” no título. Zemeckis pediu ajuda a Spielberg neste campo, que resultou. O filme chamar-se-ia mesmo “Back to the Future”.

O facto do filme se localizar nos 50s, passa por duas razões:

  • para um adolescente dos 80s conhecer os pais na mesma faixa etária, só nessa era.
  • Zemeckis considera os 50s como uma era riquíssima do ponto de vista cultural e social.

Inicialmente, a máquina do tempo seria um frigorífico. A ideia foi rejeitada, pois podia potenciar acidentes domésticos com crianças.

Inicialmente, o apelido de Marty era McDermott. Zemeckis sugeriu mudar-se para McFly.

Numa versão inicial, Marty e Doc vendem vídeos para angariar dinheiro para o DeLorean. A ideia foi retirada, a pedido da Universal, pois podia promover a pirataria.

Numa versão inicial, Jennifer tinha o nome de Suzy.

 

C. Thomas Howell e John Cusack foram considerados para interpretar Marty.

Johnny Depp chegou a fazer uma audition, mas segundo Gale o resultado era fraco.

Corey Hart fez uma audition para Marty.

Ralph Macchio (popular devido a “The Karate Kid”, em 1984) recusou ser Marty McFly.

John Lithgow, Dudley Moore, James Woods e Jeff Goldblum foram considerados para interpretar Doc Brown.

Tim Robbins foi considerado para interpretar Biff Tannen.

J. Cohen ia ser Tannen, mas como Stolz já estava escolhido, Zemeckis e Gale achavam que Cohen não era rival físico para Stolz. Thomas F. Wilson é escolhido e Cohen fica como um dos pandilhas de Tannen.

Melora Hardin vs Claudia Wells

Melora Hardin era Jennifer (a namorada de Marty). Mas com a saída de Stolz e a entrada de Fox, teve de se mudar de actriz (Hardin era mais alta que Fox). Claudia Wells foi eleita como substituta. Jill Schoelen foi considerada.

Thomas F. Wilson não gostou de Stolz, achando-o demasiado sério e agressivo. Na cena da confrontação no diner, Stolz foi violento com Wilson. Este planeou a sua vingança para a cena em que Biff puxa Marty para fora do carro. Mas tal nunca aconteceu. Stolz saiu e Fox entrou. O entendimento entre ambos foi bom, em oposição aos seus personagens.

Biff Tannen (o vilão) tem o seu apelido vindo de Ned Tannen, na época um executivo da Universal, que tinha sido muito agressivo com Zemeckis e Gale a propósito de “I Wanna Hold Your Hand” e desde então.

Christopher Lloyd foi escolhido devido a impossibilidade de John Lithgow. Lloyd recusou, inicialmente, mas depois mudou de ideias, muito devido à insistência da sua esposa.

Lloyd tinha vontade em fazer mais um filme, onde Marty e Doc viajam até à antiga Roma.

 

Numa versão inicial, o final seria diferente:

  • Depois do concerto na prom night, a Polícia irrompe.
  • Marty regressa a 1985 e tudo mudou, com a época a ser a realidade dos sonhos tecnológicos dos 50s.
  • O rock`n` roll não existe.
  • Marty procura criar uma revolução cultural, ao “inventar” o rock`n` roll.
  • George McFly, descobre um jornal dos 50s e vê uma fotografia da prom night onde está presente… Marty.

 

100 dias de filmagem.

Toda a povoação de Hill Valley foi criada nos estúdios Universal.

Alguns dos exteriores foram filmados em Puente Hills Mall, Industry, California; Whittier High School, Whittier, California; Bushnell Avenue, South Pasadena, California.

Fox foi ensinado por Paul Hanson para fazer os movimentos correctos. Quando “canta”, Fox é dobrado por Mark Campbell (dos Jack Mack and the Heart Attack). Na guitarra, Fox é dobrado por Tim May.

Back to the Future_FOX

8 minutos de filme foram cortados – Marty a ver a sua (futura) mãe a copiar num exame; George a ficar preso numa cabine telefónica, antes de salvar Lorraine; mais tempo de Marty a fingir que é Darth Vader.

Zemeckis queria cortar a cena em que Marty canta “Johnny B. Goode”, mas o público do test screening era tão receptivo à cena, que o realizador manteve-a.

Muitos dos efeitos visuais (da Industrial Light & Magic, de George Lucas) foram feitos e melhorados uma semana antes da estreia.

As famosas frases e expressões de Biff Tannen (“make like a tree and get outta here“, “butthead“) foram improvisações de Wilson.

“Back to the Future” usa o mesmo set de “Gremlins” (1984, de Joe Dante, também produzido por Spielberg). Os dois filmes partilham uma actriz – Francis Lee McCain (mãe da jovem Lorraine em “Back to the Future”, mãe de Billy em “Gremlins”).

O backlot usado para criar Hill Valley é o mesmo usado para o primeiro episódio de “The Twilight Zone”.

Michael J. Fox e Crispin Glover já tinham contracenado num episódio de “Family Ties”.

Foram usados 3 DeLorean.

Back to the Future - The DeLorean - Photo 2

Alan Silvestri é chamado para compor a música. Silvestri já tinha trabalhado com Zemeckis (em “Romancing the Stone”) e voltaria a trabalhar em todos os seus filmes. Spielberg não gosta da música. Zemeckis pede a Silvestri para compor algo mais épico.

O Main Theme

(sentimo-nos a voar pelo tempo)

 

Silvestri sugere Huey Lewis and the News (de quem Zemeckis e Fox eram fãs) para escreverem a canção principal da banda sonora. O grupo aceita, apesar de nunca ter feito algo assim. O estúdio fica preocupado pelo facto da canção não ter o mesmo título do filme (na época, era regra que canção e filme estivessem em sintonia com o título). A canção foi um enorme sucesso.

Ei-la:

Huey Lewis and the News – “The Power of Love”

E a canção que fecha o filme – “Back in Time”

Back to the Future - backstage - Huey Lewis and Michael J. Fox

Na cena inicial, vê uma imagem de Harold Lloyd (suspenso num relógio, em “Safety Last” – 1923). No final do filme, Doc vê-se numa situação semelhante.

Uma cena, onde Lorraine fala de futuros filhos e da liberdade que lhes vai dar, foi cortada. Seria inserida em “Back to the Future – Part II”.

Num momento faz-se referência a um comic book intitulado “Tales from Space”. Na cover, vê-se o símbolo da editora EC Comics. A EC tinha duas publicações, “Weird Science” e “Weird Fantasy”). Mas havia um comic book intitulado “Tales from the Crypt”. Zemeckis, grande fã da EC, foi um dos executive producers da série “Tales from the Crypt” (1989).

O momento em que Marty cospe o conteúdo de uma garrafa foi devido ao facto da garrafa conter uma bebida alcoólica. Tudo estava encenado e planeado de forma a ser água, pelo que Fox acreditava ser esse o conteúdo. Mas alguém decidiu pregar uma partida ao actor e trocou os conteúdos. A reacção de Fox é a surpresa da descoberta.

Na cena do concerto, Fox imita vários músicos – Pete Townshend, Bruce Springsteen, Angus Young, Chuck Berry, Jimi Hendrix e Eddie Van Halen.

Num par de cenas, vêem-se estações de combustível da Texaco. O avô maternal de Christopher Lloyd foi um dos fundadores da Tecaxo.

Na cena do diner, já nos 50s, quando Biff recebe um murro de Marty, este está interpretado por Eric Stolz. Zemeckis achou que não havia necessidade de refilmar esse plano, pois Marty é visto de costas.

A Pepsi recebe imensas referências ao longo do filme. Fox estava sob contrato com a marca, para vários spots publicitários.

Eis alguns:

 

Back to the Future - screenshot 22

A roupa de Marty ao longo do filme – óculos ZEISS Silver Aviator, camisa Shah Safari, blusão Guess Marciano, relógio Casio CA-50, cuecas Calvin Klein, calças Stonewash Skinny, meias Grey Crew, sapatilhas Nike Bruins.

As guitarras de Marty – Erlewine Chiquita (cena inicial), Ibanez Roadstar II (cena da audition) e Gibson 1963 ES-345TD (o concerto na prom night).

 

Cameos

Huey Lewis – é o homem que está a fazer uma audition a bandas, na escola.

Deborah Harmon – a apresentadora televisiva, na cena inicial.

Walter Scott (stunt coordinator) – é o condutor do Jeep, quando Marty vai à “boleia”.

 

A estreia foi adiada de Maio para Agosto. Mas depois de uns entusiasmantes test screening, o estúdio quer que o filme estreie em Julho.

O filme foi banido na China, pois lá considerava-se que viajar no tempo é um desrespeito pela História.

Fox ficou tão marcado pelo personagem, que sempre que ia a algum lugar (nos USA ou estrangeiro) era frequente chamado de “Hey, McFly!”.

Os direitos da saga estão totalmente nas mãos de Zemeckis e Gale. Por vontade deles, enquanto estiverem vivos, não haverá remakes, reboots ou adaptações televisivas de “Back to the Future”.

Back to the Future - screenshot 15

“Back to the Future” foi o maior sucesso de 1985. Nos USA e no mundo.

“Back to the Future” esteve 11 semanas como Number 1 no box-office. Foi interrompido por “National Lampoon’s European Vacation”, mas apenas por uma semana, pois na semana seguinte “Back to the Future” volta a ser Number 1.

Quando “Back to the Future” foi lançado em vídeo, a Universal adicionou a indicação “To be continued…“, no final.

Quando o filme foi editado em DVD e Blu-Ray, tal adenda foi retirada.

Ronald Reagan citou o filme durante o discurso do “State of the Union” 1986 – “Where we’re going, we don’t need roads“.

Reagan achou tanta piada ao momento em que se brinca com o facto de ele ser o futuro Presidente dos USA, que chegou a pedir ao projeccionista para passar esse momento várias vezes.

John DeLorean, o criador do famoso carro, escreveu a Zemeckis e a Gale, agradecendo-lhes a forma como imortalizaram o DeLorean.

 

A peça musical adaptada de “Back to the Future”, deveria estrear em Londres este ano, mas foi adiada para 2016. Robert Zemeckis e Bob Gale escrevem o argumento, com a música a ser composta por Alan Silvestri e Glen Ballard.

Detalhes:

http://www.rollingstone.com/movies/news/back-to-the-future-musical-confirmed-for-2015-20140131

http://www.broadway.com/buzz/177297/londons-back-to-the-future-musical-pushed-back-to-the-future/

 

“Back to the Future” gerou duas sequelas (na verdade, são “apenas” as Part II e III da história), uma série televisiva de animação (muito divertida), um parque temático, vários jogos e agora um musical.

 

O trailer da Animated Series

 

Sobre os jogos

http://backtothefuture.wikia.com/wiki/Back_to_the_Future_video_games

 

O jogo mais recente, para celebração dos 30 anos

http://backtothefuture.wikia.com/wiki/Back_to_the_Future:_The_Game

https://www.telltalegames.com/backtothefuture/

 

O “American Film Institute” considera “Back to the Future” como um dos “10 Melhores Filmes de Sci-Fi de Sempre”.

A “BBC” colocou “Back to the Future” na posição 56 dos “100 Melhores Filmes Americanos”.

A “Empire” colocou “Back to the Future” na posição 23 dos “Maiores Filmes de Sempre”.

A “Total Film” colocou “Back to the Future” entre os “100 Melhores Filmes de Sempre”.

O “New York Times” colocou “Back to the Future” entre os “1000 Melhores Filmes de Sempre”.

O “Entertainment Weekly‍” colocou “Back to the Future” na posição 28 dos “50 Melhores Filmes em ambiente de escola secundária”.

O “IGN” colocou a saga “Back to the Future” na posição 9, das “25 Melhores Sagas Cinematográficas”.

O “Film4” colocou “Back to the Future” na posição 10, na lista dos “50 Filmes a ver antes de morrer”.

O “Channel Four” considera “Back to the Future” como um dos “Maiores Filmes de Família de Sempre”, dando-lhe a posição 7.

O argumento de “Back to the Future” foi colocado na posição 56, dos “100 Melhores Argumento de Sempre”, por parte do “Writers Guild of America”.

 

Nos USA, a 21 de Outubro de 2015, a trilogia foi reexibida. Mas apenas nesse dia, devido à celebração da data no segundo filme.

O Cineclube do Porto fez algo parecido nessa data. Exibiu o segundo filme. O primeiro foi mostrado no dia anterior. Só o terceiro capítulo é que ficou de fora.

Os resultados na bilheteiras mundiais à volta do “Back to the Future Day” foram de quase 5 milhões de Dólares.

 

 

 

Back to the Future - Part II - Poster 2

 

Regresso ao Futuro II (1989)

 

Título Original – Back to the Future – Part II

 

Sem surpresa (apesar de não ser uma intenção inicial dos seus autores), eis a sequela de “Back to the Future”.

Bom, é mais uma continuação.

E com resultados (absolutamente) desconcertantes.

Back to the Future - Part II - screenshot 1

Marty, Doc e Jennifer viajam a 2015 para resolver uns problemas que visam os filhos de Marty e Jenn.

Tudo corre bem.

Mas quando regressam a 1985, tudo está diferente. E mais caótico.

A solução passa por regressar a… 1955.

Onde Doc se pode encontrar consigo.

Onde Marty se reencontra consigo. O mesmo Marty de 1985 que já tinha viajado a 1955 (em “Back to the Future”).

Onde ambos movem esforços para mudar 1985, mas sem interferir com os eventos ocorridos no filme anterior.

Que (tremenda) confusão são os paradigmas e paradoxos espácio-temporais.

Back to the Future - Part II - screenshot 3

Back to the Future - Part II - screenshot 4

Marty & Doc partem para um tempo onde não são necessárias estradas.

 

É uma ida a um futuro (ao qual já chegamos – 21 Outubro 2015) pleno de tecnologia (muita já existente). Uma viagem que muito fascina pela ideias propostas.

Mas é também uma viagem ao caos dos paradoxos do tempo.

Back to the Future - Part II - screenshot 19

“Back to the Future – Part II” é uma louca, imparável e rocambolesca rollescoaster de acção, comédia, fantasia, surpresas e reviravoltas.

Perante a situação que Marty & Doc têm de enfrentar, o filme coloca-os em permanente luta com os paradoxos do space-time continuum.

A loucura é ainda maior quando, a determinado momento, regressamos aos eventos do filme anterior, onde os mesmos personagens, mas de tempos diferentes, estão em cena no mesmo local, no mesmo momento.

O filme vai ao ponto de revisitar momentos do filme original, agora com variantes, permitindo mostrar também outros eventos que não se tinham visto no filme anterior.

Back to the Future - Part II - screenshot 24

Back to the Future - Part II - screenshot 23

Great Scott!!!

This is heavy, Doc!!!

Absolutamente desconcertante.

 

Um daqueles casos onde a sequela supera o original (que já era excelente e difícil de superar).

"Back to the Future II" (1989)

Back to the Future - Part II - screenshot 9

HTRA202 VV050

Michael J. Fox e Christopher Lloyd continuam perfeitos. Fox desenvolve um Marty mais adulto, atento à responsabilidade da situação, até porque ele é o parcial culpado das confusões.

(veja-se a dor de Marty quando descobre o destino do pai; veja-se Doc nas suas atitudes de desenrasque)

O mesmo se aplica a Thomas F. Wilson, James Tolkan e a Lea Thompson.

Fox recebe um enorme desafio, pois interpreta quatro personagens.

Back to the Future - Part II - screenshot 11

Back to the Future - Part II - screenshot 10

Back to the Future - Part II - screenshot 12

Back to the Future - Part II - screenshot 18

Back to the Future - Part II - screenshot 17

Back to the Future - Part II - screenshot 13

back-to-the-future-2

Back to the Future - Part II - screenshot 15

Robert Zemeckis volta a dirigir com mestria, sempre dinâmico e criativo, reformulando momentos do filme original, com a mesma graça, nunca dando sossego ao espectador.

Todo o filme é um “desfile” do enorme savoir faire de Zemeckis. Tanto nas cenas de acção (que aumentam em número e em escala, face às do filme anterior), onde consegue duas prodigiosas (a perseguição dos hoverboards e a perseguição entre carro e hoverboard no túnel), como em grandes momentos de suspense (quando Marty tem de recuperar o almanaque a Biff e a Mr. Strickland; Marty a evitar contacto com o seu eu da viagem anterior e a evitar que os vilões ataquem esse seu outro).

 

Igual excelência na fotografia (de Dean Cundey), música (de Alan Silvestri), nos efeitos visuais, na cenografia e no guarda-roupa (atenção às Nike com atacadores automáticos – elas já são uma realidade).

Back to the Future - Part II - screenshot 30

Back to the Future - Part II - screenshot 5

Back to the Future - Part II - screenshot 6

Back to the Future - Part II - screenshot 14

Grande loucura.

Grande entretenimento.

Sequela perfeita.

Obra-prima de Cinema.

 

Obrigatório e imprescindível.

 

“Back to the Future – Part II” tem edição portuguesa.

Back to the Future - Part II - screenshot 27

 

Realizador: Robert Zemeckis

Argumentistas: Robert Zemeckis, Bob Gale

Elenco: Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Lea Thompson, Thomas F. Wilson, Elisabeth Shue, James Tolkan, Jeffrey Weissman, Casey Siemaszko, Billy Zane, J.J. Cohen, Charles Fleischer

 

Site – http://www.backtothefuture.com/

Site comemorativo – http://www.october212015.com/

 

Orçamento – 40 milhões de Dólares

Bilheteira – 118 milhões de Dólares (USA); 332 (mundial)

Mercado doméstico – 72 milhões de Dólares (USA)

 

Trailer

 

Marty conhece o filho

 

O futuro 2015, em Hill Valley

 

As perseguições

 

Back to the Future - Part II - Poster 1

Esteve nomeado para “Melhores Efeitos Visuais”, nos Oscars 1990. Perdeu para “The Abyss”, de James Cameron.

“Melhores Efeitos Visuais”, nos BAFTA 1990 e nos Prémios Saturn 1991.

Esteve nomeado (em conjunto com “Back to the Future – Part III”) para “Melhor Filme de Ficção Científica”, mas perdeu para “Total Recall”, de Paul Verhoeven, com Arnold Schwarzenegger.

“Melhor Música”, nos Prémios BMI Film & TV 1990.

“Melhor Special Edition do Ano”, nos Prémios DVD Exclusive 2003.

“Melhor DVD/Blu-Ray do Ano”, nos Prémios Golden Schmoes 2010.

“Actor Favorito” (Michael J. Fox), ”Actriz Favorita” (Lea Thompson), nos Prémios Kids’ Choice 1990.

“Melhor Filme de Família – Musical ou Fantasia”, nos Prémios Young Artist 1990.

Back to the Future - Part II - Poster 3

Inicialmente, só uma sequela ficou planeada. Intitulado de “Paradox”, o argumento concentrava ideias abordadas nas duas sequelas.

Bob Gale escreveu o argumento localizado nos 60s. Robert Zemeckis mudou para os 50s.

Quando o argumento se passava nos 60s, Marty reencontrava os pais, agora hippies. Tal reecontro quase que cancela o nascimento de Marty e este tem de assegurar que vai nascer. Zemeckis considerou tal ideia muito semelhante à do primeiro filme e pediu alterações a Gale. Foi quando Zemeckis sugeriu que a história revisitasse momentos do primeiro fime. Tal levaria a narrativa e as fimagens a um outro nível.

 

Fox soube da ideia da sequela quando viu uma exibição de “Back to the Future” e onde se mencionava no final “to be continued” (o cut exibido em 1985 não tinha essa informação). Fox contactou logo o seu agente no sentido de saber detalhes sobre tal.

Back to the Future - Part II - Claudia Wells vs Elizabeth Shue

Claudia Wells, que interpretou Jennifer Parker em “Back to the Future”, teve de abandonar esta sequela. O estado grave da saúde da sua mãe, obrigava-a a acompanhamento. Elisabeth Shue foi chamada para a substituir, tanto para “Back to the Future – Part II” como “Back to the Future – Part III”.

Crispin Glover, que interpretou George McFly em “Back to the Future”, saiu de cena. Glover pediu condições que os produtores consideraram exageradas – Glover queria o mesmo salário que Michael J. Fox e o mesmo screen time. Foi substituído por Jeffrey Weissman, que foi caracterizado de forma a parecer-se com Glover, sendo filmado de forma táctica para “tapar” as diferenças. Glover levou os produtores a tribunal pelo uso de um actor parecido com ele. A Universal pagou-lhe um valor “simpático”, para que o actor se calasse.

Tal acção levou o Screen Actors Guild a mudar as regras – nenhum actor pode ser substituído por truques de efeitos visuais, caracterização e filmagem, de forma a parecer semelhante ao actor retirado.

Sobre a situação

Back to the Future - Part II - Crispin Glover vs Jeffrey Weissman

Devido à saída de Crispin Glover, o argumento teve de fazer alterações face ao personagem de George McFly.

A cena inicial de “Back to the Future – Part II” é a cena final de final de “Back to the Future”. Mas como Claudia foi substituída por Elizabeth, a cena teve de ser refilmada.

A comparação entre o final do primeiro filme e o começo do segundo

Back to the Future - Part II - screenshot 29

Haveria uma cena onde Marty encontra os seus irmãos no 1985 alternativo. Mas a ideia ficou cancelada – Wendie Jo Sperber (Linda, a irmã de Marty) estava grávida e não podia participar.

Gale inspirou-se e fascinou-se pelo tema das time travels através do filme “The Time Machine”, de George Pal, com Rod Taylor.

Numa primeira versão do argumento, descobria-se que o nome do meio de Marty é Hopkins.

Numa prévia versão do argumento, o Biff do alternativo 1985 é morto poe Lorraine.

Marlene McFly ia ser interpretada por Crispin Glover.

Back to the Future - Part II - Promo Photo 1

Zemeckis e Gale não queriam fazer uma sequela a “Back to the Future”. Apesar do final do filme, tal era apenas uma brincadeira. Foi a Universal que os abordou com a ideia de sequelas.

Zemeckis só faria as sequelas, se contasse com Fox e Lloyd.

O elenco já tinha contrato para duas sequelas, muito antes delas ficarem agendadas.

Zemeckis não queria que o filme se passasse no futuro, pois acreditava que os filmes futuristas nunca acertam no futuro.

Para Zemeckis, se a sequela estivesse nos seus planos, a cena final de “Back to the Future” não incluía Jennifer. Mas como ela estava presente, havia que começar “Back to the Future – Part II” com ela em cena. Zemeckis e Gale arranjaram depois uma solução para que Jennifer ficasse de fora todo o filme.

MMDBATO EC007

Back to the Future - Part II - screenshot 21

Back to the Future - Part II - screenshot 22

O filme faz recurso a um tipo especial de câmara, chamada de Vista Glide. Era para filmar o mesmo actor que surge no mesmo plano em personagens diferentes. A câmara permitia dividir o plano e escolher qual parte dele era filmada. Em “Back to the Future – Part II”, Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Lea Thompson, Thomas F. Wilson e Elizabeth Shue “actuam” perante si próprios (o mesmo personagem, mas em idades diferentes). Fox ficou com o maior desafio, pois interpreta quatro personagens (Marty de 1985 – e em duplicado -, Marty de 2015, o filho e a filha), três deles no mesmo plano.

Eis alguns momentos que fazem tal recurso

Os McFly do futuro

 

Biff (de 2015) encontra Biff (de 1955)

 

Sobre as câmaras Vista Glide:

http://glidecam.com/products

 

Hill Valley teve de ser toda reconstruída.

Fox teve de voltar a aprender a andar de skate.

Foram usados 4 DeLorean.

Os hoverboards eram placas de madeira, desenhadas como se fossem pranchas de skate. Eram presas aos pés dos actores. A ilusão que voavam vinha da suspensão dos actores por cabos (depois retirados por efeitos visuais).

A recriação da cena do baile “Enchantment Under The Sea” obrigou a refazer roupas. Só Lea Thompson é que usou o vestido que tinha usado no primeiro filme.

Segundo Zemeckis, “Back to the Future – Part II” usa todos os truques disponíveis pela tecnologia cinematográfica da época.

A produção só avançou três anos depois da ideia e da luz verde do estúdio, pois Zemeckis estava ocupado com “Who Framed Roger Rabbit?” (1988).

Filmado em simultâneo com “Back to the Future – Part III”. Isto era algo raro na época, embora já seja corrente hoje (as trilogias “The Lord of the Rings”, “The Hobbit”). Entre um filme e outro, deram-se três semanas de pausa.

Foram necessários dois anos de trabalho para criação dos sets das Part II e Part III. As filmagens decorreram ao longo de 11 meses. Enquanto se editava a Part II, a Part III estava em filmagens.

O filme foi um enorme desafio para a Industrial Light & Magic, que conseguiu efeitos verdadeiramente inovadores.

Back to the Future - Part II - backstage

Num momento, Doc mostra o “USA Today” com a data de 22 de Outubro. É a data de aniversário de Christopher Lloyd (Doc).

O jogo que Biff ouve num momento do filme é verídico.

Doc usa uma t-shirt onde se vêem cowboys, cavalos e um comboio. Subtilmente, o filme sugere como vai ser a Part III.

Mais uma vez, muita presença e publicidade à Pepsi. No Cafe 80’s surgem vários produtos da marca – Original, Diet, Max e Perfect.

No Café 80`s são projectados momentos de duas séries – “Family Ties” e “Taxi”, que contavam com a preseça de Fox e Lloyd.

Back to the Future - Part II - screenshot 7

Num momento, mostra-se publicidade a um “Jaws 19” (na época já se tinha ido até ao 4). A tagline é “This time it’s really, REALLY personal” (alusão à tagline de “Jaws 4” – “This time it’s personal”). Menciona-se que o realizador é Max Spielberg (tal nome é o de um filho de Steven Spielberg, realizador de “Jaws” e produtor da saga “Back to the Future”). Max nasceu em 1985, ano de “Back to the Future”. Perante a publicidade, Marty diz “The shark still looks fake“. Tal foi sugerido por Spielberg, pois foi essa a sua reacção a “Jaws IV”.

O momento

 

O trailer de “Jaws 19”

 

Ao contrário do que o filme diz, os Chicago Cubs perderam a National League de 2015.

Inicialmente, Marty não veria um anúncio a “Jaws 19”, mas a “Godzilla 2015”. Falhou-se por pouco – Godzilla tinha regressado em 2014.

O jogo “The Wild Gunman” (1984), visto no Cafe 80’s, foi criado de propósito para o filme, pela Nintendo Entertainment System. Chegou a ter alguma utilização pública.

Na cena onde Jennifer é levada a casa por agentes da polícia, uma delas é interpretada por Mary Ellen Trainor, a esposa de Zemeckis.

Num momento, em casa de Biff, é vista uma fotografia de Buford “Mad Dog” Tannen, o vilão da Part III.

O táxi futurista que leva Biff é um Citroen DS.

Num momento do filme, alguém assiste a “For a Fistful of Dollars”, de Sergio Leone, com Clint Eastwood. Tal visão (principalmente a da cena mostrada) será vital para vários momentos da Part III.

Num momento de “Back to the Future”, passa um homem perto do Doc de 1955. Esse homem está vestido exactamente da mesma maneira que o Doc de 1985, em 1955, quando troca palavras com o seu outro ele de 1955, em “Back to the Future – Part II”.

É o único filme da saga onde não aparecem os irmãos de Marty.

É o único filme da saga onde a time machine não voa na direcção do público, no final.

É o único filme da saga onde Marty não conduz o DeLorean.

 

Cameo de Charles Fleischer (popular actor vocal em cartoons) – dá a voz à avó de Biff e é o condutor do reboque.

Primeiro filme de Elijah Wood – é um dos miúdos que fala com Marty, em frente à máquina de jogos.

 

O filme termina com o teaser de “Back to the Future – Part III”. Isto era (e ainda é) raro. Antes de Zemeckis, só Russ Meyer e Richard Lester é que tinham feito algo assim.

 

Carl Sagan considerou “Back to the Future – Part II” como o melhor filme já feito sobre viagens no tempo, dado o rigor e a plausibilidade com que aborda as diferentes time lines.

Zemeckis considera “Back to the Future – Part II” como o seu filme favorito, bem como o mais estranho.

A Empire colocou “Back to the Future – Part II” na posição 498, nos “500 Melhores Filmes”.

Foi o terceiro maior sucesso nas bilheteiras de 1989, depois de “Batman” e “Indiana Jones and the Last Crusade”.

 

Back to the Future - Part II - Poster 5

A 21 de Outubro de 2015, o “USA Today” juntou-se às celebrações. Fez uma front page onde mostrava Marty Jr. a ser preso (tal como acontece no filme).

 

Back to the Future - Part II - Pepsi Perfect - 1

Back to the Future - Part II - Pepsi Perfect - 2

Back to the Future - Part II - Pepsi Perfect - 3

A Pepsi também não ficou de fora. Produziu as Perfect mostradas no filme e vendeu-as.

 

Back to the Future - Part II - Nike - 1

Back to the Future - Part II - Nike - 2
A Nike desenvolveu o modelo mostrado no filme, as (míticas) sapatilhas com atacadores automáticos

 

Detalhes da versao real

http://www.esquire.com/style/mens-fashion/a32219/nike-back-to-the-future-part-2-shoes-working-power-laces-010715/

http://www.dezeen.com/2015/01/08/nike-air-mag-back-to-the-future-shoes-release-2015/

 

Todos os lucros das vendas reverteram a favor da fundação que Fox criou para a Doença de Parkinson (que afecta o actor desde final dos 80s).

 

Back to the Future - Part II - Lexus Hoverboard - 1

A Lexus (marca de luxo da Toyota – outra marca bem presente na saga) criou as hoverboards inspiradas nas que são vistas no filme.

http://www.lexus-int.com/amazinginmotion/slide/?gclid=CM6Ck8aB5skCFcE_GwodPbMD9A

 

O filme antecipou muitos avanços tecnológicos que hoje estão em uso.

Eis alguns:

 

Back to the Future - Part II - Toyota Mirai - 1

Back to the Future - Part II - Toyota Mirai - 2

Toyota Mirai

A Toyota teve relevante presença em “Back to the Future”

(lembram-se da black pick-up truck que Marty tanto deseja?)

Eis o seu novo e futurista carro

(movido a Hidrogénio, com Fuel Cell)

Será a próxima Time Machine de Marty e Doc?

https://ssl.toyota.com/mirai/fcv.html

 

Back to the Future - Part II - Poster 4

 

Curiosidades

http://www.gamesradar.com/10-incredible-back-future-extras-fans/

 

Michael J. Fox e Christopher Lloyd no “Back to the Future Day”

 

Michael J. Fox, Christopher Lloyd e Lea Thompson no “Back to the Future Day”

 

 

 

Back to the Future - Part III - Poster 1
E assim se conclui esta saga.

Agora com a mais longínqua das viagens.

Back to the Future - Part III - screenshot 26

1885. Marty descobre que Doc está em 1885, no Old West (consequência do final das aventuras em “Back to the Future – Part II”).

Mas Marty vem a saber que Doc foi morto algum tempo depois de ter chegado ao Faroeste.

Contrariando as indicações de Doc, Marty parte para 1885 (sim, mais uma vez ao volante do DeLorean), com o objectivo de salvar o amigo, trazê-lo de volta a 1985 e resolverem questões ainda pendentes nestas alterações espácio-temporais que têm criado.

Marty e Doc conhecem um (asqueroso) antepassado dos Tannen, um (rigoroso) antepassado do Principal Strickland e uns antepassados dos McFly. Doc chega mesmo a conhecer o grande amor da sua vida.

Mas há que regressar.

E como abastecer o DeLorean de forma a que ele alcance a velocidade necessária para regressar ao futuro?

É que o Século XIX não é tão evoluído como o XX!!!

Back to the Future - Part III - screenshot 1

Back to the Future - Part III - screenshot 4

Back to the Future - Part III - screenshot 3

Back to the Future - Part III - screenshot 8

Back to the Future - Part III - screenshot 7

Depois das enormes confusões criadas, vividas e resolvidas no segundo filme, é hora de algo mais calmo.

Este terceiro filme procura resolver umas questões que ficaram em aberto no segundo filme.

Back to the Future - Part III - screenshot 12

Back to the Future - Part III - screenshot 14

Back to the Future - Part III - screenshot 13

Mas apesar da “calmaria”, há boa animação.

Doc faz avançar os tempos do faroeste com as suas invenções.

Há uma história de amor – Doc & Carla (uma mulher avançada no seu tempo, com a sua atitude individualista e fascinada pela sci-fi – Julio Verne e H.G. Wells).

Marty causa “sensação” pelo seu guarda-roupa, pela sua “dança” (à Michael Jackson) e pelo nome (Clint Eastwood).

 

Esta terceira aventura faz um acréscimo de drama – os dilemas de Doc face a Clara e aos seus sentimentos, a consciencialização de Marty face ao seu feitio e as repercussões no seu futuro.

 

O argumento aproveita e mostra os primórdios de Hill Valley e alguns dos antepassados de diversos personagens (protagonistas e secundários) da saga.

Back to the Future - Part III - screenshot 21

Back to the Future - Part III - screenshot 22

Back to the Future - Part III - screenshot 23

Fiel à narrativa da saga é a forte, permanente, inabalável, fiel, leal, eterna e intemporal amizade entre Marty e Doc.

Como é norma na saga, continuam os paradoxos do tempo – Marty & Doc voltam a mudar o rumo espácio-temporal.

Como é habitual na saga, há boa acção – a perseguição final ao comboio é uma lição de como encenar e filmar (boa) acção.

Como sempre, brincadeiras ao Cinema – desde Clint Eastwood (a forma como se brinca com o seu nome) ao Western Spaghetti (o visual da cidade, as roupas), de Sergio Leone (a forma como Marty se veste; o duelo final entre Marty e “Mad Dog” Tannen) até aos actioners B dos 40s e ao modelo delineado por Spielberg (produtor da saga “Back to the Future”) na saga “Indiana Jones” (a perseguição ao comboio).

São reconstruídas situações dos filmes anteriores, agora com consideráveis mudanças.

Lugar também para surpresa – o final.

 

E, como bom Western que se preze, a (sempre deslumbrante e épica) presença de Monument Valley, tão bem filmado por Zemeckis como foi antes por John Ford ou John Carpenter.

Back to the Future - Part III - screenshot 6

Back to the Future - Part III - screenshot 11

Back to the Future - Part III - screenshot 9

Back to the Future - Part III - screenshot 18

Back to the Future - Part III - screenshot 19

Back to the Future - Part III - screenshot 20

Back to the Future - Part III - screenshot 5

Os actores (agora com a ajuda de uma estupenda Mary Steenburgen), a fotografia, a música, a cenografia, o guarda-roupa e os efeitos visuais (desta vez, numa “exibição” mais discreta, face aos episódios anteriores), tudo está em estado de graça.

Michael J. Fox e Christopher Lloyd continuam perfeitos.

Há que destacar a fantástica química entre Lloyd e Steenburgen.

Lloyd está, desta vez, mais dramático e emocional.

Fox volta a merecer grandes elogios – interpreta dois personagens (mais uma vez, ambos em cena no mesmo plano) e até se dá ao luxo de brincar a Robert de Niro (em “Taxi Driver”) e a Clint Eastwood (nomeadamente a “Trilogia dos Dólares”, de Sergio Leone).

Thomas F. Wilson volta a ser hilariantemente maléfico como o vilão, que tem um visual e atitude que remete para Lee Marvin e o seu pérfido Liberty Valence (de “The Man Who Shot Liberty Valence”, de John Ford).

Back to the Future - Part III - screenshot 15

Back to the Future - Part III - screenshot 17

Ou seja, tudo o que sempre foi excelente na saga, continua igual.

 

Sim, este é o episódio mais calmo da saga (tinha mesmo de ser), mas é tão bom como os outros.

Um digno final de saga.

 

Uma maravilha.

 

Obrigatório e imprescindível.

 

“Back to the Future – Part III” tem edição portuguesa.

Back to the Future - Part III - screenshot 25

Back to the Future - Part III - screenshot 24

 

Realizador: Robert Zemeckis

Argumentistas: Robert Zemeckis, Bob Gale

Elenco: Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Mary Steenburgen, Thomas F. Wilson, Lea Thompson, Elisabeth Shue, Richard Dysart, Harry Carey Jr., Dub Taylor, James Tolkan, Marc McClure, Wendie Jo Sperber, Jeffrey Weissman, Bill McKinney, Donovan Scott, J.J. Cohen

 

Site – http://www.backtothefuture.com/

 

Trailers

 

Orçamento – 40 milhões de Dólares

Bilheteira – 87 milhões de Dólares (USA); 243 (mundial)

Mercado doméstico – 49 milhões de Dólares (USA)

 

Back to the Future - Part III - screenshot 10

“Melhor Actor Secundário” (Thomas F. Wilson), “Melhor Música”, nos Prémios Saturn 1991. O filme esteve nomeado para “Melhor Filme de Ficção Científica” (perdeu para “Total Recall”), “Melhor Actriz Secundária” (Mary Steenburgen perdeu para Whoopi Goldberg em “Ghost”), “Melhor Realizador” (Robert Zemeckis foi derrotado por James Cameron em “The Abyss”) e “Melhor Guarda-Roupa” (“Total Recall” foi preferido).

“Melhor Música”, nos Prémios BMI Film & TV 1991.

“Melhor Special Edition do Ano”, nos Prémios DVD Exclusive 2003.

“Melhor DVD/Blu-Ray do Ano”, nos Prémios Golden Schmoes 2010.

Back to the Future - Part III - Backstage

Durante as filmagens de “Back to the Future”, Robert Zemeckis perguntou a Michael J. Fox que tempo é que ele gostaria de visitar. Fox respondeu que queria andar pelo Old West. Zemeckis e Bob Gale gostaram da ideia.

 

Zemeckis e Gale acharam que já tinham resolvido tudo à volta de Marty e da sua família, pelo que para este filme dedicaram-se mais a Doc.

 

Clint Eastwood foi abordado por Zemeckis e Gale, para obterem aprovação dele no uso do nome e nas piadas feitas. Eastwood aceitou, ficou comovido pela iniciativa e quando viu o filme, riu-se imenso.

Eis o momento:

 

Filmado em simultâneo com “Back to the Future – Part II”. Isto era algo raro na época, embora já seja corrente hoje (as trilogias “The Lord of the Rings”, “The Hobbit”). Entre um filme e outro, deram-se três semanas de pausa.

 

Durante três semanas, Zemeckis terminava as filmagens de “Back to the Future – Part III” e ia para o estúdio de montagem, em L.A., editar “Back to the Future – Part II”. Às 04.30 levantava-se para seguir para o Norte da California continuar as filmagens de “Back to the Future – Part III”.

Para Fox, filmar esta trilogia foi como regressar à escola. Para além dos ambientes recriados (muitos em escola), Fox também aprendeu imensas coisas (filmagens, andar de skate, andar a cavalo, usar uma arma, tocar guitarra).

 

Seamus McFly iria ser interpredo por Crispin Glover.

Ronald Reagan (que na altura já tinha deixado de ser Presidente dos USA) foi convidado a interpretar o Mayor da cidade, mas recusou. Reagan era grande fã da saga.

Thomas F. Wilson criou o seu Buford Tannen inspirado na criação de Lee Marvin em “The Man Who Shot Liberty Valance” (1962), de John Ford, com John Wayne, James Stewart e Vera Miles.

MSDBATO EC053

A personagem de Clara Clayton é inspirada em Clara Clemens, a filha de Samuel Clemens/Mark Twain. Num momento da sua vida, Clara (a verdadeira) teve um acidente de cavalo que quase resultava numa queda fatal. Clara (a do filme) vive uma situação semelhante.

Clara foi escrita sempre com Mary Steenburgen em mente.

Steenburgen foi persuadida a participar por pressão dos filhos, grandes fãs da saga.

Steenburgen já tinha experiências em filmes sobre time travel. Em 1979, a actriz participa no excelente “Time After Time”, de Nicholas Meyer, com Malcolm McDowell (futuro marido) e David Warner. Nesse filme, a actriz interpreta uma mulher do Século XX que se apaixona por um viajante do tempo vindo do Século XIX. Em “Back to the Future – Part III”, a actriz interpreta uma mulher do Século XIX que se apaixona por um viajante do tempo vindo do Século XX.

Momentos com Clara

 

 

Ao longo da saga, duas frases são habitualmente ditas por Marty e Doc – “Yeah, this is heavy!!!” e “Great Scott!!!”, respectivamente. Neste filme, há uma troca de quem diz as respectivas lines.

Num momento, Marty fala de Clint Eastwood a Doc. São visíveis posters de dois filmes de Eastwood, em início de carreira – “Revenge of the Creature” e “Tarantula”.

Back to the Future - Part III - screenshot 2

Num momento, Doc conversa com um homem que tem arame farpado. É John Warne Gates. Gates andou pelo mercado de arame e fundou “The Texas Company”, que daria origem à Texaco. A Texaco volta, assim, a ter referência na saga.

O bartender que serve Marty (sob o nome de Clint Eastwood) é interpretado por Matt Clark. Clark também interpretou um bartender em “The Outlaw Josey Wales” (1976), realizado e interpretado por… Clint Eastwood.

O editor do jornal de Hill Valley é M. R. Gale. É uma homenagem a Bob Gale co-argumentista da saga.

O saloon está no mesmo lugar que o “Lou’s Café” de 1955 (no primeiro filme) e o “Cafe 80’s” em 2015 (no segundo filme).

Os três old timers no saloon são Dub Taylor, Pat Buttram e Harry Carey Jr., três veteranos do Western, em filmes e séries.

O fotógrafo visto no festival é o Director of Photography do filme e da saga – Dean Cundey.

Back to the Future - Part III - ZZ Top

Cameo dos ZZ Top – a banda que toca na cena do baile. A banda andava pelo set, um dia, e Zemeckis convidou-os para participarem no filme.

Eis o momento:

 

Uma cena foi apagada – quando Tannen mata o Marshall Strickland. A cena foi considerada violenta para um filme de família.

Ei-la:

 

Este é o único filme da saga onde Doc interage com um membro da família Tannen.

 

Quando Marty é quase enforcado por Tannen, Fox foi mesmo enforcado por uns segundos, o que o levou a perder a consciência por alguns minutos.

Thomas F. Wilson executou todas as stunts a cavalo.

Muitas cenas foram filmadas no Monument Valley.

Hill Valley foi toda construída em Jamestown, California, e num set existente no Red Hills Ranch, próximo de Sonora, California.

Muita da crew do filme original esteve presente nestas duas sequelas.

 

Uma parte da música que Alan Silvestri criou para o filme traz uma homenagem ao tema música de “The Time Machine” (1960), de George Pal, com Rod Taylor.

 

Na novelização do filme, Marty acaba por ser responsável pela criação do Cinema. Depois de entregar a arma a um miúdo, Marty explica-lhe que teve a ideia (sobre o evento ocorrido minutos antes) a propósito de algo que viu num filme. Quando o petiz lhe pergunta o que é um filme, e antes que Marty lhe responda, alguém chama pelo miúdo. “David… David Llewelyn Wark Griffith”. É a referência a D. W. Griffith, pioneiro do Cinema. Nascido em 1875, David teria 10 anos na época dos eventos de “Back to the Future – Part III”.

 

Durante todo o ano de filmagens das Part II e Part III, Fox perdeu o pai e foi pai.

Fox teve de se ausentar das filmagens durante duas semanas, devido à morte do seu pai.

 

O filme estreou nos USA a 25 de Maio de 1990. É da data de aniversário de Bob Gale.

É o primeiro filme da Universal a usar o seu logo comemorativo dos seus 75 anos de existência.

Foi o quinto maior sucesso nas bilheteiras do Verão de 1990, depois de “Ghost”, “Total Recall”, “Die Hard 2” e “Dick Tracy”.

 

Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Lea Thompson, Thomas F. Wilson, James Tolkan, Marc McClure (que participa numa cena excluída da Part II) e J.J. Cohen são os únicos actores presentes nos três filmes da trilogia “Back to the Future”.

 

A meio dos 90s, falou-se num ”Back to the Future – Part IV”. A história andaria à volta de Doc e da sua família, que iam até Roswell, em 1947. Michael J. Fox faria apenas um cameo. Tais planos nunca avançaram e Zemeckis e Gale já indicaram que nunca haverá (nem deverá haver) um Part IV.

 

Em 2008, Steven Spielberg (produtor da saga) e outros realizadores, solicitaram à Universal para criar um theme park à volta de “Back to the Future”. Ele existe. Está em Orlando, Florida, onde se recriam muitos momentos e locais da saga.

 

 

Back to the Future - Trilogy Poster 1

Back to the Future - Trilogy Poster 2

Back to the Future - Trilogy Poster 4

Viajar no tempo (e em estilo, num bólide de sonho), corrigir erros do passado, melhorar o futuro, descobrir como eram os nossos pais quando adolescentes, ter um amigo cientista (genial) e viver loucas peripécias.

Temas que fazem sonhos e desejos (eternos) do ser humano.

 

Combinar (inteligente e genialmente) diversos géneros, homenagear géneros e eras, criar personagens carismáticos, em momentos e diálogos memoráveis, grande qualidade de interpretações, escrita e realização, imenso poder de entretenimento, escapismo, conseguindo marcar o seu tempo.

 

Por tudo isto, “Back to the Future” (cada um dos filmes e toda a trilogia) merece (inteiramente) o culto, sucesso e poder intemporal que tem tido ao longo destes 30 anos.

 

No seu poder de diversão, escapismo e entretenimento, a saga consegue (em conformidade com a narrativa) levar-nos a viajar. No tempo. Na memória. Na nossa vida. Levar-nos a um tempo (e a um estado de espírito) onde nos sentimos Kids novamente.

Não há muitos filmes que consigam tal.

Back to the Future - The DeLorean - Photo 1

Back to the Future - The DeLorean - Photo 2

Back to the Future DeLorean Time Machine

Sobre o Delorean

http://www.delorean.com/

 

Ao longo da saga, o DeLorean faz 14 viagens no tempo.

  • Einstein, o cão de Doc, é enviado 1 minuto no futuro (em “Back to the Future”).
  • Marty viaja a 1955 (em “Back to the Future”).
  • Marty regressa a 1985 (em “Back to the Future”).
  • Doc vai a 2015 (em “Back to the Future”).
  • Doc regressa a 1985, vindo de 2015 (em “Back to the Future”).
  • Doc, Marty e Jennifer vão a 2015 (em “Back to the Future”)
  • Doc, Marty e Jennifer vão a 2015 (em “Back to the Future – Part II”)
  • Biff viaja de 2015 a 1955 (em “Back to the Future – Part II”).
  • Biff regressa a 2015 (em “Back to the Future – Part II”).
  • Doc, Marty e Jennifer regressam a 1985 (em “Back to the Future – Part II”).
  • Marty e Doc viajam a 1955 (em “Back to the Future – Part II”).
  • Doc viaja de 1955 a 1885 (em “Back to the Future – Part II”).
  • Marty viaja a 1885, vindo de 1955 (em “Back to the Future – Part III”).
  • Marty regressa a 1985, vindo de 1885 (em “Back to the Future – Part III”).

Há uma 15ª viagem, feita por Doc e a sua família, de 1885 a 1985, mas com outro veículo (em “Back to the Future – Part III”).

 

Ao longo da saga, o DeLorean viaja um total de 570 anos.

1985 a 1955 – 30 anos (em “Back to the Future” – Marty vai ao passado)

30 anos

1955 a 1985 = 30 anos (em “Back to the Future” – Marty regressa ao futuro)

60 anos

1985 a 2015 – 30 anos (em “Back to the Future” – Doc e Einstein vão ao futuro)

90 anos

2015 a 1985 – 30 anos (em “Back to the Future” – Doc regressa do futuro)

120 anos

1985 a 2015 – 30 anos (em “Back to the Future – Part II” – Doc, Marty e Jennifer vão ao futuro)

150 anos

2015 a 1955 – 60 anos (em “Back to the Future – Part II” – Biff viaja ao passado)

210 anos

1955 a 2015 – 60 anos (em “Back to the Future – Part II” – Biff regressa ao futuro)

270 anos

2015 a 1985 (alternativo) – 30 anos (em “Back to the Future – Part II” – Marty, Doc, Jennifer e Einstein regressam ao passado/presente)

300 anos

1985 (alternativo) a 1955 – 30 anos (em “Back to the Future – Part II” – Marty e Doc regressam ao passado)

330 anos

1955 a 1885 – 70 anos (em “Back to the Future – Part II” – Doc parte para o passado)

400 anos

1955 a 1885 – 70 anos (em “Back to the Future – Part III” – Marty parte para o passado)

470 anos

1885 a 1985 – 100 anos (em “Back to the Future – Part III” – Marty e Doc regressam ao presente)

570 anos

 

Back to the Future - Trilogy - Promo Shot

 

Merchandising diverso

Back to the Future - Trilogy - Book cover

Back to the Future - Trilogy - Merchandising - 2

Back to the Future - Trilogy - Merchandising - 1

 

As diversas evoluções na saga

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Marty

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Clothing - 2

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Clothing - 1

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Accessories - 1

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Shoes

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Accessories - 2

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Events

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Characters

 

A Timeline da saga

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Timeline - 1

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Timeline - 2

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Timeline - 3

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Timeline - 4

Back to the Future - Trilogy - Evolution - Timeline - 6

Imprimir

 

É sempre uma (enorme) alegria regressar a este futuro passado.

Back to the Future - Cast - Christopher Lloyd, Michael J. Fox and Lea Thompson - Anniversary Photo 1

Back to the Future - Anniversary Photo - Huey Lewis, Michael J. Fox, Christopher Lloyd and Lea Thompson

Back to the Future 25th Anniversary

Back to the Future - Cast - Mary Steenburgen, Christopher Lloyd, Robert Zemeckis, Michael J. Fox and Lea Thompson - Anniversary Photo 1

O ano de 2015 traz celebrações a propósito de:

 

“Back to the Future”

3 de Julho de 1985 – 30 anos.

 

“Back to the Future – Part II”

21 Outubro de 2015 – Marty, Doc e Jennifer aterram em 2015.

 

De “Back to the Future – Part III”

25 de Maio de 1990 – 25 anos.

 

E outras datas de outros eventos da saga:

1 de Janeiro de 1885 – Doc chega ao Oeste.

4 de Julho de 1885 – Doc descobre que não aguenta o álcool.

5 de Novembro – quando Marty chega a 1955.

 

Back to the Future - Trilogy BR Cover

“Back to the Future” tem edição portuguesa.

As edições Blu-Ray têm melhor preço noutros mercados, onde algumas edições têm legendas em Português.

A edição comemorativa dos 25 anos está a óptimo preço e é bem guarnecida de extras.

A edição comemorativa dos 30 anos tem novos extras.

 

Trailer da edição:

 

Back to the Future - Trilogy - BR 30th Anniversary Edition

A edição:

http://www.dvdactive.com/news/releases/back-to-the-future-30th-anniversary-trilogy.html

 

Back to the Future - Trilogy Poster 3

2 comments on “Back to the Future – A Trilogia

  1. HIDERALDO diz:

    Todos nós, seres humanos sabemos que a linha do tempo é inexorável. Talvez por isso essa trilogia nos fascine tanto. Meu filho e meu sobrinho nasceram depois, bem depois dos lançamentos dos filmes e são adultos hoje, mas ADORAM ESSA TRILOGIA. A ponto de terem seus DVDs muito bem guardados e cuidados para reverem mais vezes…É claro se você olhar com visão de critico vai encontrar um monte de “falhas temporais” mas isso não importa. O que importa é a fantasia, o humor e sobretudo a “viagem” que esta trilogia fez chegando conosco até 2015! Um clássico e tanto!

    • hussardo diz:

      Aprovadíssimo.
      É mesmo esse o poder (entre tantos outros) desta maravilhosa saga.
      Que continua a desafiar o tempo na sua capacidade de entreter e cativar novas gerações.
      E eu também tenho esta saga guardada num “altar”. Bem merece.
      É uma viagem que quereremos sempre fazer. Sempre de sorriso feliz e em qualquer tempo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s