A Colina Vermelha (2015)

Crimson Peak - Poster 11
Título Original – Crimson Peak

 

É o regresso (sempre ansiado) do sempre fantástico Guillermo del Toro.

É também o seu regresso também ao gothic terror.

 

Edith Cushing é jovem, mas vive atormentada desde a morte da mãe, que lhe surge periodicamente, com avisos de cautela perante um evento futuro.

Dividida sentimentalmente entre o seu médico e um misterioso estranho, Edith escolhe este. Casa e vai viver para Allerdale Hall, uma assustadora mansão na igualmente assustadora Crimson Peak.

A casa é habitada por fantasmas e mistérios. Edith vai descobri-los e constatar que a sua vida está em perigo. Mas devido aos mortos ou aos vivos?

Crimson Peak - screenshot 4

Crimson Peak - screenshot 2

Crimson Peak - screenshot 16

Eis um verdadeiro manual de como fazer (bem) um old manor ghost story murder mystery gothic terror, apoiado nos luxuosos trabalhos de fotografia, cenografia e guarda-roupa, que atingem o sublime.

Tudo o que de mais rigoroso existe para criação de atmosferas está aqui, levado ao mais ínfimo detalhe e requinte.

Atenção à impressionante cenografia e à forma como se sente a casa, levando mesmo o espectador a sentir-se como o hóspede extra.

Crimson Peak - screenshot 18

Crimson Peak - screenshot 6

Crimson Peak - screenshot 5

Crimson Peak

Apesar de ficarmos a saber quase tudo a meio filme (quem é quem), este deixa o suspense para a protagonista, à volta do como e quando irá saber a verdade e qual a sua reacção.

 

Guillermo del Toro dirige com mestria, como todo o know-how do seu Cinema, fazendo do filme uma bela e sumptuosa homenagem à Hammer e ao Giallo à Mario Bava (nome grande do género e do Cinema, a merecer revalorização e redescoberta).

Crimson Peak - screenshot 9

Crimson Peak - screenshot 13

Crimson Peak - screenshot 7

Boa prestação do elenco. Mia Wasikowska é sempre óptima para estes registos (e épocas), sabendo criar muito bem a sua fragilidade e medo. Tom Hiddleston é bem galante e por vezes ambíguo. Jessica Chastain (outra que fica bem nestes registos e géneros – já a vimos em “Mama”, patrocinado por del Toro) revela-se bem inquietante.

 

Para usufruir em IMAX.

 

Um must e um regalo (visual e emocional) para os nerds do género.

 

Obrigatório.

 

Um dos grandes títulos de 2015.

Crimson Peak - screenshot 15

Crimson Peak - screenshot 12

Crimson Peak - screenshot 14

Crimson Peak - screenshot 17

Crimson Peak - screenshot 20

Crimson Peak - screenshot 19

 

Realizador: Guillermo del Toro

Argumentistas: Guillermo del Toro, Matthew Robbins

Elenco: Mia Wasikowska, Jessica Chastain, Tom Hiddleston, Charlie Hunnam, Doug Jones, Jim Beaver, Jonathan Hyde

 

Site – http://www.legendary.com/film/crimsonpeak/?redirect=off

 

Orçamento – 55 milhões de Dólares

Bilheteira (até agora) – 27 (USA); 61 (mundial)

Crimson Peak - backstage - Guillermo del Toro on set - 1

Guillermo del Toro inspirou-se em romances como “Jane Eyre”(de Charlotte Brontë), “Wuthering Heights” (de Emile Brontë), “Great Expectations” (de Charles Dickens), “Rebecca” (de Daphné Du Maurier) e “Dragonwyck” (de Anya Seton) – brilhantes romances já levados, brilhantemente, ao Cinema. Mas também em filmes como “Frankenstein” (1931, de James Whale) e “The Haunting” (1963, de Robert Wise).

 

Mia Wasikowska substituiu Emma Stone, que teve de recusar por conflitos de agenda.

Benedict Cumberbatch ia ser o protagonista, mas depois saiu de cena. Tom Hiddleston substituiu-o. Hiddleston chegou a pedir aprovação a Cumberbatch, tendo-a recebido.

As entradas de Wasikowska e Hiddleston obrigaram Toro a fazer alterações no argumento. Toro chegou a fazer cerca de 12 versões do argumento.
Wasikowska, Hiddleston e Jessica Chastain tiveram de ler e memorizar as biografias dos seus personagens, elaboradas meticulosamente por Toro.

Chastain teve de aprender piano.

Crimson Peak - backstage - Guillermo del Toro on set - 2

A casa foi construída por inteiro, mas depois teve de ser demolida por questões de espaço em estúdio.

Toro exigiu a construção de um sumptuoso candeeiro, que requereu quatro meses de trabalho. Perante os custos, o estúdio recusou financiar. Toro pagou pelo seu bolso.

Toro considera que os sets do filme foram os melhores em que já trabalhou.

Toro queria que o filme tivesse o look de um filme de Mario Bava, em Technicolor.

O tom da fotografia divide-se em várias fases – dourada, sépia e tobacco (quando o filme se passa nos USA); sombria e fria (quando a acção vai para a mansão).

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s