Tentações Perigosas (2015)

Knock Knock - Poster 2

 

Título Original – Knock Knock

É o regresso de Eli Roth, o “pai” do terror moderno mais extremo (“Hostel”, “Hostel – Part 2”). Roth ainda tem por estrear o muito esperado “The Green Inferno”.

Este “Knock Knock” pode muito bem ser o “´Fatal Attraction` made by Roth”, onde o torture terror surge na pacatez do lar familiar, fruto da tentação.

Um homem, dedicado pai e marido, vê-se sem a sua família durante um fim-de-semana, devido a agenda de trabalho.

Uma noite, recebe a “visita” de duas (belas) meninas, que estão perdidas e desesperadas por ajuda. Mas as meninas revelam-se umas maléficas tentações e o pobre homem não resiste.

O que poderia ter sido um (perdoável) deslize torna-se numa jornada infernal pela sobrevivência. As meninas vão sujeitá-lo às mais perversas humilhações – físicas e psicológicas.

Como escapar?

Knock Knock - screenshot 2

Knock Knock - screenshot 3

Survival movie em ambiente que deveria ser tranquilo (o lar), com laivos de fantasia sexual (um homem, sozinho em casa, a receber a “visita” de duas belas e “disponíveis” meninas).

Elogia-se a tentativa de reflexão/moralização sobre o sexo e desejo, o uso da mulher como objecto sexual e alvo de tentações carnais, a “moralidade” de quem comete a “facadinha” no matrimónio (mas procura redimir-se) e o (mau) uso das redes sociais como forma de destruir a vida alheia.

Não atinge tal profundidade, mas satisfaz enquanto filme de género, fazendo-nos sentir a dor e o suplício do protagonista, metido numa situação cuja saída parecer ser a morte.

Knock Knock - screenshot 4

Knock Knock - screenshot 6

Keanu Reeves porta-se bem como pai e marido dedicado, traduzindo bem o fascínio/excitação que as meninas lhe criam, sendo bem convincente no calvário (físico e psicológico) que lhe é criado.

Lorenza Izzo e Ana de Armas seduzem e assustam, transmitindo bem toda a inocência, excitação, perversidade e loucura das suas personagens.

Eli Roth dirige de uma forma mais elegante e sóbria que o seu habitual, mas não se inibe da sexualidade habitual do seu cinema (a sedução das meninas) e de alguma violência extrema (quando se inicia o “jogo”).

Knock Knock - screenshot 10

Knock Knock - screenshot 7

Knock Knock - screenshot 8

Vê-se bem, funciona enquanto filme de género, mas não arrebata nem perturba.

“Knock Knock” andou anunciado para estreia há umas semanas. Foi cancelado à última da hora. Está agora agendado para 5 Novembro 2015.

Knock Knock - screenshot 11

Knock Knock - screenshot 12

Realizador: Eli Roth

Argumentistas: Eli Roth, Nicolás López, Guillermo Amoedo, Anthony Overman, Michael Ronald Ross

Elenco: Keanu Reeves, Lorenza Izzo, Ana de Armas, Aaron Burns, Ignacia Allamand, Dan Baily, Megan Baily, Colleen Camp

Site – http://knockknockmovie.tumblr.com/

Orçamento – 3 milhões de Dólares

Bilheteira (até agora) – 3.2 milhões de Dólares (mundial)

Knock Knock - Poster 3

Knock Knock - Poster 4

Colleen Camp e Sondra Locke, duas das produtoras do filme, eram as protagonistas de “Death Game” (1977, de Peter S. Traynor, também com Seymour Cassel), o filme que inspira “Knock Knock”. Traynor é também um dos produtores.

Lorenza Izzo (uma das “violadoras”) é a esposa de Eli Roth.

Knock Knock - Promo Photo 2 - Lorenza Izzo, Keanu Reeves, Ana de Armas, Eli Roth

Roth prometeu (e cumpriu) um tom diferente daquele que cimentou a sua reputação (blood & guts, torture porn).

Filmado no Chile, em Santiago.

Knock Knock - Poster 5

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s