Ave do Paraíso (1932)

KINO_CLASSICS_Logo2

Titulo Original – Bird of Paradise

Histórias de amor e ambientes exóticos combinam sempre bem.

Eis um bom exemplo.

Vindo de um grande estúdio para estas coisas – a RKO.

À descoberta de uma ilha paradisíaca, um homem apaixona-se por uma beldade local. Para além do preconceito local, o par deve ainda vencer um tenebroso ritual – para acalmar a ira do vulcão, a comunidade decide oferecer a rapariga, em sacrifício. O casal tenta a fuga.

Bird of Paradise 1932 - screenshot 4

Uma clássica história de amor proibido, perante a diferença cultural e a hostilidade familiar, com o pormenor que o par protagonista não fala a mesma língua (embora mais tarde já se entendam), apoiado num cenário exótico.

Tudo equilibrado, aqui e ali, por uma certa componente action/adventure.

Clássico e exótico, o filme cativa também pela sua sensualidade (até bem elevada para os padrões da época – veja-se a dança da protagonista, onde se percebe que está semi-despida).

Bird of Paradise 1932 - screenshot 2

Boa prestação de Dolores del Rio e Joel McCrea (dois nomes populares da época), onde mostram uma escaldante química nos seus interlúdios românticos.

Um título muito simpático.

“Bird of Paradise” (versão de 1932) não tem edição portuguesa, nem em qualquer outro mercado. Para ser visto, há que recorrer a outros “locais exóticos”.

Bird of Paradise 1932 - screenshot 3

Realizador: King Vidor

Argumentista: Wells Root, Wanda Tuchock Leonard Praskins, a partir da peça de Richard Walton Tully

Elenco: Dolores del Rio, Joel McCrea, John Halliday, Lon Chaney Jr.

Clips

http://www.videodetective.com/movies/bird-of-paradise/477943

O Filme

Bird of Paradise 1932 - screenshot 1

Quando David O. Selznick tomou conta da RKO, este foi um dos projectos “herdados”. Selznick leu a peça de Tully, mas achou-a ridícula. Sugeriu-a a Vidor, mas este também teve a mesma opinião. Selznick aconselhou Vidor a ignorar o texto e fazer o filme que queria, desde que filmasse três tórridas cenas de amor.

Vidor queria filmar on location, mas as complicações técnicas, logísticas e as birras climatéricas cancelaram tal vontade.

As filmagens começaram sem o argumento estar concluído.

É o primeiro filme sonoro com uma banda sonora sinfónica. Foi também o primeiro filme a ver a sua banda sonora editada em disco.

É o primeiro filme de Lon Chaney Jr.

Teve uma sequela planeada (com o título “Green Mansions”), que envolveria o regresso de muito do elenco e da equipa técnica. Mas tudo ficou cancelado devido ao flop do filme.

Muita polémica (e curiosidade) surgiu quando se falou que Dolores del Rio estaria nua numa cena subaquática.

(a cena existe, a possibilidade é alta, mas a iluminação não permite conclusões definitivas; fica a cena da dança, algo mais “explícita”)

Orson Welles chegou a afirmar que, depois deste filme, Dolores del Rio era o “mais alto ideal erótico” para qualquer homem.

As danças foram coreografadas por Busby Berkeley.

As cabanas dos nativos seriam reutilizadas em “King Kong” (1933) – um título da… RKO.

Sobre a RKO:

http://www.rko.com/

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s