Viva Zapata! (1952)

Viva Zapata! - Poster 1

 

A história do grande revolucionário mexicano, através de dois revolucionários do Cinema – Marlon Brando e Elia Kazan.

 

México, 1909.

Porfirio Diaz é o Presidente, mas é um ditador e deixa o seu povo à fome.

Emiliano Zapata é um pobre agricultor que vai liderar uma revolta popular.

Viva Zapata! - screenshot 4

Viva Zapata! - screenshot 3

John Steinbeck assina o argumento. Tal não é apenas um luxo de produção.

Na verdade, o grande cronista da Depressão (o “diário” máximo desses tempos é mesmo o seu belíssimo “The Grapes of Wrath”) usa o poder da sua prosa para contar uma história sobre um outro tempo de Depressão, sobre a alma, esperança e luta de um povo, a chama de um homem, o coração de um líder e a bravura de um guerreiro.

Mas Steinbeck faz também uma reflexão sobre o poder (o posto e o deposto), contando também uma bela história de amor.

Viva Zapata! - screenshot 8

Viva Zapata! - screenshot 9

Excelente fotografia (num glorioso P&B).

Viva Zapata! - screenshot 1

Viva Zapata! - screenshot 2

Viva Zapata! - screenshot 6

Kazan e Brando já tinham mostrado como estavam a revolucionar o Cinema. Aqui dão mais uma prova.

Veja-se Brando e a sua entrada em cena a desafiar a autoridade, o seu desespero quando confessa que não sabe ler, o seu carinho ao brincar com um cachorrinho, o seu olhar e voz quando faz os “discursos”.

Kazan dá uma forte ambiência real, rural e humana e volta a dar boas lições de realização – a marcha de Zapata enquanto prisioneiro e a forma como é “escoltado” pelos populares (como apelo a uma revolução funciona melhor que muito “discurso” que anda por aí).

 

Excelente prestação do restante elenco.

Viva Zapata! - screenshot 7

Viva Zapata! - screenshot 10

Um belíssimo filme e um honroso tributo a um bravo homem, sendo também um manifesto sobre o que significa liberdade e revolução. Porque a cada herói que revoluciona há sempre quem o siga e continue a sua luta (atenção ao momento final).

 

Muito recomendável.

 

“Viva Zapata!” tem edição portuguesa e já andou a preço “revolucionário”.

Viva Zapata! - screenshot 5

Viva Zapata! - screenshot 11

Realizador: Elia Kazan

Argumentista: John Steinbeck

Elenco: Marlon Brando, Jean Peters, Anthony Quinn, Joseph Wiseman

 

Orçamento – 1.8 milhões de Dólares

Mercado doméstico – 2 milhões de Dólares (USA)

 

Trailer

 

Viva Zapata! - Poster 2

“Melhor Actor Secundário” (Anthony Quinn), nos Oscars 1953. Quinn ganharia o Oscar na mesma noite em que o seu sogro, Cecil B. DeMille, ganhava por “Melhor Filme” com “The Greatest Show on Earth”.

Marlon Brando esteve nomeado para “Melhor Actor”, mas Gary Cooper (por “High Noon”) derrotou-o. John Steinbeck esteve nomeado em “Melhor Argumento” mais foi vencido pelo de “The Lavender Hill Mob”.

“Melhor Actor Estrangeiro” (Marloin Brando”), nos BAFTA 1953.

“Melhor Actor” (Marlon Brando), em Cannes 1952.

“Melhor Actor Secundário” (Anthony Quinn), pelos Críticos de Utah 1952.

Viva Zapata! - Poster 3

Tyrone Power era a primeira escolha do estúdio (a Fox, com quem o actor tinha contrato).

Jack Palance tinha sido proposto, por Kazan, para interpretar Zapata. Palance tinha sido revelado por Kazan em “Panic in the Streets”. O chefe da Fox (Darryl F. Zanuck) queria antes Palance para o personagem que depois seria entregue a Quinn.

Brando já tinha feito testes para o personagem em 1949.

Até à escolha sobre Jean Peters, Julie Harris estava ponderada.

Sabe-se que Marilyn Monroe também foi ponderada, mas Zanuck recusou-a por achar que Marilyn não tinha talento nem apelo nas bilheteiras.

Richard Conte chegou a ser ponderado para protagonista em 1949. O título seria “Beloved Tiger”.

 

Primeiro filme de Henry Silva.

 

Quinn ficou triste pela escolha sobre Brando em interpretar Zapata, pois Quinn achou que estava mais qualificado para tal, por ser latino. Fizeram uma estranha aposta, mas Quinn perdeu. A “desforra” foi a vitória de Quinn nos Oscars. Quinn chegou a interpretar Stanley Kowalski numa road tour de “A Streetcar Named Desire” (o personagem, a peça e filme que revelou Brando). Alguns críticos chegaram a considerar Quinn superior a Brando nessa interpretação. Apesar de estarem sempre em competição (e Kazan gostava disso, pois ajudava ao filme), Quinn e Brando sempre se deram bem.

Brando pregou umas partidas durante as filmagens. Estourou foguetes no hotel, cantou uma serenata a Jean Peters durante a noite, fingiu-se de morto numa cena (o que preocupou cast & crew) e assustou jornalistas ao dizer que comia gafanhotos e olhos de animais.

Viva Zapata! - Poster 5

O “Lux Radio Theater” emitiu uma versão radiofónica de 60 minutos, em Novembro de 1952. Peters retomou a sua personagem.

Viva Zapata! - Poster 4

Sobre Zapata

http://www.biography.com/people/emiliano-zapata-9540356#synopsis

http://latinamericanhistory.about.com/od/themexicanrevolution/p/08zapatabio.htm

http://latinamericanhistory.about.com/od/themexicanrevolution/ig/Photos-of-the-Mexican-Revolution/The-Death-of-Emiliano-Zapata.htm

Viva Zapata! - Poster 6

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s