Memórias de Ontem (1991)

Memórias de Ontem

Título Original – Omohide Poro Poro

Título Internacional – Only Yesterday

 

Assim prossegue a minha viagem pelo universo dos Estúdios Ghibli.

Hayao Miyazaki “apenas” produz.

O argumento e a realização pertencem ao prestigiado Isao Takahata, cujo maravilhoso “Grave of the Fireflies” foi suficiente para pôr o seu nome no mapa e na história do Cinema.

 

Taeko, mulher de 27 anos, administrativa numa empresa, tem a sensação que falta algo na sua vida. Como é habitual desde há vários anos, numa determinada época, parte para o interior com o fim de participar numa importante colheita agrícola. Tal viagem é sempre uma desculpa para Taeko revisitar memórias da sua infância. Mas este ano muitas serão as confrontações entre passado e presente, pelo que há que encarar a realidade e tomar decisões (em sintonia, ou não, com os seus sonhos de criança) para um futuro radiante, enquanto adulta.

 

Singela e delicada evocação sobre os dilemas do ser humano entre as memórias de infância e adolescência (plenas de sonhos e aspirações) com o presente da vida adulta (sempre pleno de dramas e chatices).

Há também lugar para uma revisitação aos 60s e ao impacto dos ícones culturais da época dentro da sociedade nipónica, com uma pequena ilustração de alguns aspectos da cultura familiar e escolar japonesa.

Para Takahata, o cinema de animação não é a criação de universos de magia, fantasia e infantis, mas sim uma ferramenta (técnica, estética) para contar histórias (bem reais, sérias e dramáticas).

Este é mais uma prova.

O resultado é honesto, simples, sentido e sentimental.

Claro que perde face a “Grave of the Fireflies” (uma das mais poderosas experiências cinematográficas, visuais e emocionais, do mais belo e doloroso que há memória; o título está à venda no nosso país e a bom preço, altamente recomendável), mas “Only Yesterday” é um bom atestado das qualidades do seu realizador e dos méritos do estúdio.

O filme encontra-se editado em Portugal e está a bom preço.

 

Trailer

Memórias de Ontem - 1

A Walt Disney Company comprou os direitos de distribuição USA (algo já habitual em muitos anos, por “imposição” de John Lasseter, Number 1 da Pixar, grande fã dos títulos do estúdio japonês e da obra de Miyazaki). Mas a distribuição ficou cancelada. Tudo porque os senhores executivos ficaram chocados com a forma como o filme foca a menstruação nas adolescentes (decisão absurda, pois o filme aborda o tema com simplicidade, naturalidade e até bom humor – veja-se a cena em que os rapazes tentam descobrir se meninas estão na “semana”; como o fazem? levantando-lhes as saias e…). O contrato entre Disney e Ghibli proíbe a casa do Uncle Walt de remontar os filmes do estúdio nipónico.

A canção que se ouve no final, “Ai Ha Hana, Kimi Ha Sono Tane” é uma adaptação japonesa do tema “The Rose,” celebrizado por Bette Midler (cantou-o no filme com o mesmo título).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s