Caçada ao Amanhecer (1986)

Manhunter - Poster 1

 

Título original – Manhunter

 

Inicia-se hoje à noite, no canal AXN, a série “Hannibal” (aqui se fala dela).

 

Foca-se o primeiro encontro entre o Dr. Hannibal Lecter e o agente do FBI Will Graham (um psycho killer profiler). Graham recorre ao médico para lhe pedir ajuda sobre umas violentas mortes que o agente investiga. Graham vem a descobrir que Lecter é um assassino e um canibal. A confrontação será violenta e com efeitos (físicos e psicológicos) devastadores para Graham.

 

A série vai mostrar o que é abordado em diálogos, num par de momentos, no livro “Red Dragon”, escrito por Thomas Harris. O livro é o primeiro da saga que o escritor dedicou ao famoso canibal. Nesse livro, Graham é chamado para regressar à actividade (estava “reformado” de caçar psicopatas, depois das consequências da sua confrontação com Lecter) no sentido de descobrir um assassino que anda a matar famílias, de forma violenta e com ares de ritual. Para conseguir fazer o devido profile, Graham pede ajuda a Lecter e tal revela-se um trágico erro.

 

O passado que une os dois personagens é explicado num par de conversas e é esse potencial que a série explora.

 

Eis uma boa razão para se falar em “Manhunter”, perfeitíssimo psycho thriller que adapta “Red Dragon”.


Manhunter - screenshot 1
“Manhunter” surge em 1986 e vem assinado por Michael Mann, que já era um veterano da televisão com algum curriculum em cinema, mas era visto “apenas” como o produtor executivo e força criativa da estética de “Miami Vice” (série popular, histórica, inovadora e modelo do muito do que se faria no género, em cinema e televisão).

 

“Manhunter” estreou no Porto no defunto Águia d`Ouro, esteve apenas uma semana, não saiu em VHS, nem para aluguer, foi exibido no início dos 90s no Fantas, num ciclo dedicado ao policial. Perdi-o e demorei cerca de 20 anos para o ver. E quando aconteceu, a minha reacção foi mesmo de Whoa!!!.

Manhunter - screenshot 2

A história do filme segue paratiamente a do livro.

(há algumas diferenças, como se verá mais à frente)

Manhunter - screenshot 3

Will Graham, brilhante profiler já retirado do FBI, é chamado pelo seu antigo superior.

Um serial killer anda à solta e a chacinar famílias inteiras, de uma forma sanguinária a algo ritualista.

Graham consegue compreender certas motivações do assassino, mas não tudo.

Como tal, recorre ao Dr. Hannibal Lecktor (que Graham capturou há uns anos; tal evento abalou-o física e psicologicamente, tendo originado a sua saída do FBI) no sentido de obter ajuda.

E tal revela-se um perigoso erro.

Manhunter - screenshot 7

Manhunter - screenshot 6

“Manhunter” é a primeira abordagem cinematográfica ao Dr. Hannibal Lecter (aqui chamado de Lektor).

 

É um brilhante serial psycho killer thriller, mas também uma viagem ao mundo da obsessão (neste caso do agente que é perito na caça a psicopatas) e à mente humana (a forma de pensar de Graham).

Tudo sem esquecer o universo e o calor da vida familiar, verdadeiro refúgio da sanidade mental do protagonista (veja-se a forma como Graham explica ao filho a sua confrontação com Lektor, os efeitos dela e o facto de Graham se confessar como um “louco”; o duelo na sua mente entre o racional e o psicótico; as discussões com a esposa; o encontro com Lektor e a forma como Graham se tenta controlar).

Por outro lado, e tal é também um grande mérito do filme, há uma constante atenção, detalhe e realismo ao trabalho científico e logístico das autoridades na investigação deste tipo de crimes.

Manhunter - screenshot 9

Manhunter - screenshot 8

Manhunter - screenshot 17

Confirmação do talento e carisma de William L. Petersen (que já sido revelado no ano anterior por William Friedkin no fabuloso e implacável “To Live and Die in L.A” – houve quem o considerasse “um misto de Steve McQueen e Marlon Brando”), que interpreta um Graham profundamente perturbado psicologicamente (no fundo, ele é um psicopata ao serviço do Bem) e prestes a explodir. Com a sua interpretação como Graham, Petersen antecipa um outro personagem que lhe daria fama, muitos anos depois – Gil Grissom, o líder da equipa “C.S.I.: Las Vegas”, verdadeiro Sherlock Holmes moderno na arte de resolução de crimes.

 

Hannibal é interpretado a preceito por um inquietante Brian Cox.

 

Tom Noonan é absolutamente assustador como assassino.

 

O restante elenco é igualmente impecável.

Manhunter - screenshot 5

Manhunter - screenshot 18

Michael Mann dirige com vigor, estilo, sentido de estética, ritmo e tom certo, sempre atento aos personagens e às suas emoções e motivações.

 

Como habitual no cinema de Mann, perfeição total na fotografia (ninguém sabe usar um blue filter e filmar a praia como Mann), na cenografia, nas roupas (hello Mr. Armani e Mr. Boss) e na música.

Tudo ao serviço do estilo e do tom da narrativa.

Manhunter - screenshot 4

Manhunter - screenshot 12

Há quem critique o filme por ser pouco fiel ao livro (que se dividia no acompanhar das acções de Graham e do psicopata), mas é visível que Mann quis focar-se essencialmente no personagem de Graham e entrar na sua mente.

Manhunter - screenshot 10

Manhunter - screenshot 11

O filme é um manancial de cuts.

Há um Theatrical Cut, uma versão para televisão, uma versão feita pela Anchor Bay, um Director`s Cut e um Director`s Prefered Version.

Nenhum deles pode ser considerado o cut definitivo (e ele existirá um dia?). Todos eliminam e acrescentam cenas relevantes.

Manhunter - screenshot 14

Manhunter - screenshot 13

Manhunter - screenshot 20

Há uma edição UK que tem o Theatrical Cut e o Director`s Prefered Version, com um livro e bons extras. O preço anda jeitoso.

Diversas edições americanas têm diversos cuts. Os preços de algumas estão bastante acessíveis.

(não esquecer que para se ler estas edições é necessário um leitor DVD/Blu-Ray multiregion)

 

O filme existe em edição portuguesa e já encontrei o DVD a preço de saldo. O cut é o theatrical.

Manhunter - screenshot 15

Manhunter - screenshot 16

A (fabulosa) banda sonora é uma raridade. Procura-se o CD e/ou LP.

(quem a quer, tem mesmo de recorrer à pirataria)

Manhunter - screenshot 19

A passagem do tempo (com uma ajudinha de “C.S.I.: Las Vegas”) permitiu a (re)descoberta desta obra-prima, a devida (re)avaliação e há um conjunto de happy few que considera “Manhunter” como superior ao “The Silence of the Lambs”.

 

A descoberta e visão dos diversos cuts só ajuda na vivência do permanente culto à volta do filme e na presença do seu eterno fascínio.

 

Imprescindível.

 

Manhunter - screenshot 21

 

Realizador: Michael Mann

Argumentista: Michael Mann, a partir do romance de Thomas Harris (“Red Dragon”)

Elenco: William Petersen, Kim Greist, Joan Allen, Brian Cox, Dennis Farina, Tom Noonan, Stephen Lang, Benjamin Hendrickson, Michael Talbott, Dan Butler, Paul Perri, Patricia Charbonneau

 

Orçamento – 15 milhões de Dólares

Bilheteira – 8 milhões de Dólares

 

Trailers


Manhunter - Poster 3
Alguns temas da banda sonora, que muito ajudam a ilustrar a qualidade dela (como sempre no cinema de Michael Mann), mas também a ligação entre a sonoridade e a psicologia do personagem a quem o tema é dedicado.

Os temas funcionam (muito) bem isolados (principalmente “Graham`s Theme” e ”Leed`s House”, verdadeiramente atmosféricos), mas quando ouvidos/vistos com o filme e como, quando e onde Mann os coloca, fica-se elucidado quanto à sua eficácia.

 

Graham`s Theme

 

Leed`s House

 

Lector`s Cell

 

The Big Hush

 

Strong as I Am

 

Heartbeat

 

A Banda Sonora (completa)

 

Manhunter - Poster 5

“Prémio da Crítica”, no Festival de Cinema Policial de Cognac 1987.

Esteve nomeado para “Melhor Filme”, nos Prémios Edgar Allan Poe 1987. Perdeu para “Something Wild” (de Jonathan Demme – Demme assinaria em 1991 “The Silence of the Lambs”, que na literatura era uma continuação a “Red Dragon”, o livro que inspira este “Manhunter”).

Manhunter - Poster 7

David Lynch foi o primeiro cineasta pensado como realizador, mas abandonou o projecto. Nessa fase, Walon Green era o argumentista. Pouco se sabe do que sobrou do seu trabalho no script final.

Michael Mann pensou no cineasta William Friedkin para interpretar Lecktor.

Antes de Brian Cox ser escolhido, ponderam-se actores como Brian Dennehy, Bruce Dern, John Lithgow e Mandy Patinkin, para interpretar Hannibal Lektor.

Foi Dennehy que sugeriu a Mann a escolha de Cox.

O estúdio queria Don Johnson para protagonista (Johnson vinha da popular série televisiva “Miami Vice”, produzida por Mann).

Jeff Bridges, Richard Gere, Mel Gibson e Paul Newman foram ponderados como protagonista.

Mann ficou muito bem impressionado com o trabalho de William L. Petersen em “To Live and die in L.A.” (1985, de… Wiliam Friedkin). Mann já tinha trabalhado com Petersen em “Thief” (1981).

 

O filme ia-se chamar “Red Dragon”, tal como o livro que o inspira. Mas perante o flop de “Year of the Dragon” (1985), Dino De Laurentiis (produtor desse filme e de “Manhunter”) achou que Dragon lhe dava azar.

Outras razões que se apontaram foram que “Red Dragon” poderia levar o público a acreditar que o filme era de artes marciais ou de contexto político à volta de soviéticos.

 

Ao contrário dos livros e dos restantes filmes, Lecter é chamado de Lecktor.

 

William L. Petersen trabalhou com elementos da Violent Crimes Unit da Chicago Police Department, bem como profilers do FBI Violent Crimes Unit, no sentido de preparar a sua interpretação. Petersen teve dificuldade em libertar-se do personagem depois das filmagens. Chegou mesmo a mudar de visual (tirar barba, pintar o cabelo) no sentido de ver no espelho uma outra pessoa.

Tom Noonan investigou a obra de vários serial killers.

Noonan procurou evitar todo o tipo de contacto com os restantes membros do elenco. Noonan acreditava que tal favorecia uma melhor interpretação dos restantes actores, dada a tensão entre os personagens deles e o de Noonan. Noonan afirma que muitos dos actores chegaram a ter medo dele.

Cox inspirou-se no serial killer escocês Peter Manuel, para interpretar Lecktor.

Joan Allen trabalhou com invisuais.

 

Durante as filmagens de “Manhunter”, Anthony Hopkins (futuro Hannibal Lecter) estava a interpretar “King Lear” no National Theatre. Durante as filmagens de “The Silence of the Lambs”, Brian Cox (o Lecter de “Manhunter”) estava a interpretar “King Lear” no National Theatre.

A equipa de produção não teve autorização para filmar a bordo de um avião comercial. Mesmo assim, Mann colocou os actores e membros da equipa necessários para a cena em causa num voo entre Chicago e Florida. O equipamento ia a bordo e foi usado. A tripulação e assistentes de bordo foram recompensados com uns casacos alusivos à produção.

A cena com o tigre envolve um verdadeiro, mas sedado. O veterinário em cena é mesmo um.

A prisão onde está Lecter/Lecktor é o High Museum of Art in Atlanta.

As cenas com Cox foram filmadas em 3 dias.

No filme, alguém diz a frase “Time is Luck”. A mesma frase seria usada em mais dois filmes de Mann – “Heat” (1995) e “Miami Vice” (2006).

Numa cena, um actor teve de ficar deitado no chão, equanto sangue falso o rodeava. Dada a quantidade de shots necessários, o actor chegou mesmo a ficar colado ao chão, pois o “sangue” secou.

A confrontação final obrigou a improvisos de practical effects, pois alguma da crew já se tinha ido embora (na altura, já se tinha passado a data prevista para final das filmagens, pelo que alguns membros da crew tinham de ir para outros compromissos).

 

Frankie Faison é o único actor que aparece em todos os filmes onde Hannibal Lecter surge. Aqui ele é o Tenente Fisk. Em “The Silence of the Lambs”, “Hannibal” (2001) e “Red Dragon” (2002), ele interpreta sempre o mesmo personagem (Barney).

Dan Butler também participa em “The Silence of the Lambs”, mas com um personagem diferente.

É o último filme de Kristin Holby, que assim abandonava as carreiras de interpretação e na moda.

Primeiro filme de Garcelle Beauvais e de Kin Shriner.

 

Dante Spinotti é comum a “Manhunter” e “Red Dragon” – é o Director of Photography.

 

Está nos “1001 Movies You Must See Before You Die”, de Steven Schneider.

 

Theatrical Cut – 119 minutos

Director`s  Cut – 124 minutos

 

O flop do filme levaria Dino de Laurentiis a vender os direitos que tinha sobre os trabalhos literários de Thomas Harris.

Mas perante o sucesso de “The Silence of the Lambs”, o produtor voltou a comprar os direitos. Produziu “Hannibal” e uma nova versão de “Red Dragon” – ambos funcionaram bem nas bilheteiras.

 

O tempo permitiu que “Manhunter” se tornasse um Cult Movie.

Para tal muito ajudaram os sucessos dos livros de Thomas Harris e os resultados nas bilheteiras e nos Oscars de “The Silence of the Lambs”.

William L. Petersen voltaria a andar à caça de assassinos e serial killers em “CSI: Las Vegas”, o que levou muita gente a redescobrir o seu passado profissional (nomeadamente “Manhunter” e “To Live and Die in L.A,”).

“Manhunter” acaba por ser um prenúncio de séries televisivas como “Millennium”, “Profiler” e até “The X-Files”, bem como filmes como “Copycat”, “Switchback”, “The Bone Collector” e “Seven”.


Thomas Harris - Photo 2
Sobre Thomas Harris

http://www.randomhouse.com/features/thomasharris/

http://www.goodreads.com/author/show/12455.Thomas_Harris

 

O script – http://www.awesomefilm.com/script/manhunter.html

 

Fan Sites sobre “Manhunter” e os diversos cuts

(abençoados nerds)

http://manhunter1986.com/manhunter.html

http://www.comingsoon.net/horror/news/744606-strong-manhunter-manns-definitive-take-red-dragon

http://forevercinematic.wordpress.com/2012/09/15/manhunter-1986/

http://www.denofgeek.com/movies/1063366/why_you_should_watch_michael_manns_manhunter.html

http://filmthreat.com/uncategorized/manhunter-limited-edition-dvd/

http://filmthreat.com/uncategorized/manhunter-vs-red-dragon/

http://filmthreat.com/uncategorized/manhunter-vs-red-dragon-2/

http://www.movie-censorship.com/report.php?ID=1299

http://billypetersen.com/store/manhunter-dvd-info/

https://www.avforums.com/review/manhunter-review.7005

https://www.avforums.com/review/manhunter-25th-anniversary-edition-blu-ray-review.4602

http://sensesofcinema.com/2007/cteq/manhunter/

 

Entrevista com William L. Petersen

 

Entrevista com Brian Cox

 

Uma apreciação


Red Dragon - Poster 1
Em 2002, o filme teria um (desnecessário) remake com o nome de “Red Dragon”, de Brett Ratner (como é que aquele que é considerado como “o pior realizador do mundo” poderia afrontar um Mestre de Cinema como Mann?), com um insípido Edward Norton (nem às solas de Petersen consegue ascender), um Anthony Hopkins já incapaz de surpresas mas ainda à vontade, face a um Ralph Fiennes verdadeiramente tenebroso.

 

Trailer

 

Comparação entre “Manhunter” e “Red Dragon”


Hannibal - TV Series - Poster 5
Em 2013, Bryan Fuller criou a série “Hannibal”, onde desenvolve os eventos anteriores a “Manhunter”/”Red Dragon”.

Por lá andou gente ilustre como Hugh Dancy (Will Graham), Mads Mikkelsen (Lecter), Laurence Fishburne (Jack Crawford; Fishburne substituiu Petersen em “C.S.I.: Las Vegas”) e Gillian Anderson.

Durou 3 Seasons, cada uma de 13 episódios.

 

Sites

http://www.nbc.com/hannibal/

http://www.axn.pt/programas/hannibal

 

Sabe-se que anda planeada uma série dedicada a Clarice Starling, que irá ilustrar as suas aventuras (sempre com Lecter na sombra) pós “The Silence of the Lambs”. Mas ainda nada se sabe sobre tal projecto.

 

Manhunter - Poster 8

Anúncios

One comment on “Caçada ao Amanhecer (1986)

  1. […] os eventos que são descritos num par de conversas no filme “Manhunter” (do qual já aqui falei quando da estreia da série) e no romance “Red […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s